Operação Renegados: Militar é mantido preso

Defesa do suspeito pediu um habeas corpus, mas Justiça alega que prisão ainda é necessária

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

A Segunda Câmara Criminal de Cuiabá negou o pedido de habeas corpus ao policial militar reformado A.D.J.P. O suspeito é um dos detidos durante a Operação Renegados que investigou uma organização criminosa que utilizava o aparato oficial da polícia para cometer crimes de concussão, corrupção, roubo e tráfico.

Na decisão, a Justiça pontua que apesar do militar ter “predicados pessoais favoráveis” isso não aponta a indisponibilidade de manter o suspeito preso.

O texto frisa ainda que está demonstrada a necessidade de resguardar a ordem pública, portanto, não é possível substituir a prisão por outras medidas cautelares.

A negativa está publicada no Diário de Justiça Eletrônico (DJE) desta terça-feira (21).

Operação Renegados

A operação foi realizada em maio deste ano e, segundo o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco)Segundo o Gaeco, as investigações demonstraram que a organização criminosa era comandada por policial da ativa, o qual se utilizava  de técnicas de investigação com o uso de equipamentos da Polícia Judiciária Civil, além da facilidade de ser chefe de operação de uma Delegacia da capital, para facilitar e encobrir as ações criminosas do grupo. As práticas envolviam crimes graves como concussão, corrupção, peculato, roubo e tráfico.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorIdoso de 73 anos mata esposa de 62 a tiros em fazenda de MT
Próximo artigoNota sobre gasolina