Gaeco cumpre mandados contra policiais acusados de praticar crimes em Cuiabá

Estão sendo cumpridos 44 mandados, sendo que destes 22 são de prisão preventiva

(Foto: Reprodução / MP-MT)

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), e a Polícia Civil, por intermédio da Corregedoria Geral, e com o apoio da Polícia Militar e do Ciopaer, deflagraram nesta manhã a Operação Renegados. Estão sendo cumpridos 44 mandados, sendo que destes 22 são de prisão preventiva.

A operação se fundamenta em um Procedimento de Investigação Criminal (PIC) instaurado no âmbito do Gaeco e inquéritos instaurados pela Corregedoria Geral da Policial Civil. O objetivo é desarticular uma organização criminosa composta, dentre outros membros, por policiais civis e militares além de informantes utilizados pelo grupo criminoso.

Segundo o Gaeco, os elementos informativos e provas colhidos demonstraram que a organização criminosa era comandada por policial da ativa, o qual se utilizava  de técnicas de investigação com o uso de equipamentos da Polícia Judiciária Civil, além da facilidade de ser chefe de operação de uma Delegacia da capital, para facilitar e encobrir as ações criminosas do grupo. As ações envolvem a prática de crimes graves como concussão, corrupção, peculato, roubo e tráfico.

LEIA TAMBÉM

O Ministério Público e a Polícia Civil comungam esforços para combater os que desonram sua missão institucional e renegam a nobre missão do combate à corrupção e criminalidade. A lei é para todos e com muito mais rigor deve atingir aqueles que abusam da função pública e se utilizam do cargo e do aparato estatal para o cometimento de crimes.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProfissionais autônomos: 2021 tem o pior março dos últimos seis anos
Próximo artigoMPF denuncia servidores do TRE e da CEF por fraude no auxílio emergencial