Mais reunião e estudos: governo federal deve intervir nas negociações sobre o VLT

Um "grupo de trabalho" instituído pelo Ministério de Desenvolvimento Regional que garante: o dinheiro está disponível

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Mais um estudo e mais uma reunião serão realizados na esperança encontrar uma solução para a obra inacabada do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) de Cuiabá e Várzea Grande.

O encontro está previsto para o dia 10 de fevereiro, entre representantes do governo do Estado e da Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana. Foi convocado pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT).

Já o estudo, é feito por um “grupo de trabalho” instituído por uma portaria do Ministério de Desenvolvimento Regional para analisar os serviços já realizados, equipamentos já comprados e obras parcialmente entregues e, com isso, elaborar um relatório de alternativas tecnológicas e financeiras, além de perspectivas jurídicas sobre o caso.

Esses dois assuntos foram tema de uma reunião entre Fagundes o e ministro Gustavo Canuto na noite de quarta-feira (22). Logo após o encontro do senador com o secretário Nacional de Mobilidade Urbana, José Carlos Medaglia.

(Foto: Assessoria)

Na ocasião, o ministro disse que os contratos de financiamento do VLT de Cuiabá estão ativos e disponíveis. Dinheiro contratado junto a Caixa Econômica Federal e BNDES e cuja utilização vai depender da avaliação final sobre a obra.

“O que estamos fazendo neste momento é buscar uma solução para o VLT, levando em consideração sua importância para Cuiabá e Várzea Grande, especialmente neste momento de retomada do interesse dos investidores sobre o Brasil”, explicou o senador.

Já o ministro disse que o governo federal tem “todo o interesse” em dar a melhor solução para o empreendimento e confirmou que participará da reunião do dia 10.

LEIA TAMBÉM

A obra do VLT foi projetada para ter 22 quilômetros de extensão, com dois itinerários.

O primeiro trecho ligaria o Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, até a Avenida Rubens de Mendonça, mais conhecida como Avenida do CPA, em Cuiabá.

O segundo sairia da Avenida Tenente Coronel Duarte, na região do Morro da Luz, no centro da Capital, e seguiria até o Coxipó.

O prazo de conclusão era de alguns meses antes da Copa do Mundo de 2014.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPovoado de Michigan compra “cheirador” de maconha para detectar plantações ilegais
Próximo artigo842 pessoas foram assassinadas em MT no ano passado; 90% eram homens

O LIVRE ADS