“Amarelei para a covid-19”, diz Emanuel Pinheiro após ausência em debate

Candidato à reeleição, o prefeito fez entrevista isolada e passou a maior parte do tempo contornando questionamento sobre a decisão

(Foto: Sicom/Cuiabá)

Candidato à reeleição, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), negou que tenha rejeitado participar do primeiro debate eleitoral em TV, realizado nesta quinta-feira (15), para “fugir” questionamentos à sua gestão. 

“Eu amarelei para a covid-19. Estou seguindo o politicamente correto. Conseguimos controlar os casos da covid, mas a pandemia não acabou. O debate neste ano deve ser virtual, à distância. Eu, como prefeito, tenho que ser o último a voltar ao normal”, disse. 

A ausência de Pinheiro definiu o tom do confronto entre os sete outros candidatos à prefeitura – Abílio Junior (Podemos), Aécio Rodrigues (PSL), Gilberto Lopes Filho (Psol),  Gisela Simona (Pros), Julier Sebastião (PT) e Roberto França (Patriota). 

O declínio foi citado pelos participantes como se o motivo fosse o caso de dinheiro no paletó e do afastamento de quatro secretários, investigados por suposta corrupção. 

Emanuel concedeu entrevista virtual, isoladamente, no fim da tarde hoje e passou o maior tempo tentando contornar questionamento de jornalistas sobre a participação dele em outros eventos com aglomeração de pessoas, como um realizado na quarta-feira (14) com professores, e de pessoas próximas a ele, como a primeira-dama Márcia Pinheiro. 

Ela esteve presente no lançamento da candidatura do deputado federal Emanuel Pinheiro Neto (PRTB) – filho do casal – à Prefeitura de Várzea Grande. Os dois casos foram citados como exemplo de risco de contaminação. 

“Várzea Grande é um outro município, o que eu posso fazer? É uma outra candidatura que não tem nada a ver com Cuiabá”, o prefeito se limitou na resposta. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPromotor admite equívoco e pede desculpas a secretário de saúde de MT
Próximo artigoSupremo sugere afastamento por 90 dias de senador flagrado com dinheiro nas nádegas