Marido nega que médica que atropelou verdureiro tenha bebido em festa

Médico disse que a foto que mostra Letícia Bortolini com um copo de cerveja, foi apenas uma postagem na rede social, mas a bebida foi dada a ele

O marido da médica Letícia Bortolini negou que a esposa tenha consumido bebida alcoólica antes de atropelar o verdureiro Francisco Lúcio Maia, de 48 anos, em Cuiabá, em abril de 2018.

O médico Aritony de Alencar Menezes disse ainda que a mulher não sabia que tinha atropelado uma pessoa até a chegada da polícia em sua casa.

As declarações de Aritony foram feitas durante a audiência de instrução, realizada na tarde desta quinta-feira (2).

O dia do fato

O médico narrou que no dia do acontecimento, 14 de abril, pela manhã, trabalhou normalmente, assim como a esposa, Letícia. No início da tarde, se encontraram na casa do pai dele.

“Afirmei para irmos à festa, ela disse que não queria ir, mas eu insisti”, disse. Aritony comentou ainda que o festival que participaram tem como foco a carne assada, não a bebida alcoólica.

Sobre a festividade, o médico contou que uma cervejaria estava distribuindo cerveja e para ter acesso à bebida, a pessoa precisaria fazer uma postagem na rede social mostrando o copo personalizado.

Essa foto foi postada na rede social de Letícia e a família de Lúcio, inclusive, visualizou a imagem após o atropelamento.

Aritony garantiu que a esposa não consumiu bebida alcoólica naquele dia. “Ela ficou na fila para pegar cerveja para mim”, afirmou.

O atropelamento

O médico disse que assim que a festa acabou, por volta das 19h30, foi embora com a esposa. Letícia foi dirigindo, enquanto ele dormiu.

Aritony narrou que dormiu durante todo o trajeto e ao chegar em casa foi acordado pela esposa, mostrando os estragos no carro. A mulher, de acordo com o marido, achava que teria batido em uma placa.

“A Letícia desceu do carro e me chamou pra ver o que estava acontecendo, me assustei, chamei meu pai para mostrar o que estava acontecendo e chegaram os policiais”, contou. “Perguntei o que tinha acontecido e o policial falou que o carro atropelou e a vítima, o senhor Fracisco, faleceu”, complementou.

Aritony disse que a esposa, ao receber a notícia, chorou, gritou e ficou bastante abalada. O médico ainda negou que tenha havido omissão de socorro.

“Omitiu socorro de quê? Como omitiria socorro se ela não sabia?”, questionou com a voz estremecida.

O médico disse ainda que foi embora da delegacia porque pessoas chegaram revoltada ao local, jogando pedras e proferindo xingamentos. Inclusive, no dia do depoimento, Aritony, afirmou que foi agredido com golpes de capacete, cuspe e xingamentos.

Em seu primeiro testemunho, Aritony alegou que não tinha visto se a mulher bebeu ou não naquele dia. Agora, mudou os argumentos e afirmou que é porque, ao revisitar mentalmente os acontecimentos, foi a esse entendimento que ele e a esposa chegaram.

Recusa do bafômetro

O policial militar Rafael de Souza Cardoso que atendeu à ocorrência, em seu depoimento, reafirmou que a médica apresentava sinais que indicavam  embriaguez.

Porém, Letícia negou a realização do teste de etilômetro, ou seja, o bafômetro.

“A priori, no primeiro contato que tive com ela a parecia que ela apresentava sinais de embriaguez, na minha concepção, sim”, reforçou. De acordo com o militar, a condutora estava com os olhos vermelhos, coordenação motora e fala alteradas.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNova audiência de instrução do caso do verdureiro atropelado é marcada para março de 2022
Próximo artigoEmpresária é presa por fingir sequestro para vender caminhonete e receber seguro