Quase 80% dos empresários não pensam mais em demitir

Após perdas do primeiro semestre, CDL Cuiabá estima melhora no setor de comércio para a segunda metade do ano

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre

A pandemia de covid-19 despertou em funcionários e empresários a preocupação com a manutenção dos empregos e das equipes. Passados quase sete meses do início das medidas mais restritivas de circulação, o comércio parece começar a respirar.

Em maio, os pedidos de seguro-desemprego tiveram alta de quase 50%, quando comparados com o mesmo período de 2019. No ano passado, 5.666 pessoas se viram desempregadas e recorreram ao benefício para o sustento. Neste ano, foram 8.492. Os dados são do Ministério do Trabalho.

Mas o período de maus bocados parece ter passado. 

Uma pesquisa da Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá  (CDL) revelou que quase 80% dos empresários não consideram mais demitir as equipes. Em agosto, 140 empresários da região central e bairros da Capital foram entrevistados.

O levantamento incluiu estabelecimentos do setor de serviços e de comércio.

A tendência é ver esse número subir nos próximos meses, principalmente com a melhora gradativa, avalia a CDL.

Os bons ventos consideram, por exemplo, a possibilidade de entrada no mercado digital. Cerca de 76% dos empresários entrevistados pensam em atuar nas vendas on-line, o que antes parecia uma realidade distante para muito deles.

LEIA TAMBÉM

Isso não quer dizer que a crise causada pela pandemia não afetou os estabelecimentos. Pelo menos 51% dos empresários entrevistados procuraram ajuda dos programas do governo federal, entre eles redução de salários e de carga horária.

O medo também ainda é presente na rotina dos empresários: 19% têm medo dos impactos da crise, inclusive de falir.

Pesquisa e resultado

O objetivo da pesquisa, segundo a CDL, é entender os impactos da pandemia no atual cenário de Cuiabá, após o retorno das atividades econômicas.

“Esses dados são importantes para acompanharmos as mudanças de comportamentos  frente a pandemia. São diversas informações que ajudam em tomadas de decisões”, explica o Superintendente da CDL Cuiabá, Fábio Granja.

A ideia é que os dados também sejam usados por gestores públicos pra o desenvolvimento de política e ações que fomentem o setor. As linhas de crédito são uma dessas saídas.

“As perspectivas são de melhora, porém, o sinal ainda é de alerta, as empresas estão com dificuldades financeiras, precisando muito de linhas de crédito para manter os empregos e reduzir o medo de falência”, finaliza.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSeja um dos primeiros a adquirir o novo Ford Territory
Próximo artigoPF investiga caixa 2 e lavagem de dinheiro em campanha de Taques