Vendas pelo WhatsApp: pandemia muda dinâmica do Shopping Popular

Após 70 dias fechado, comerciantes encontraram uma fórmula que agradou os clientes e tem ajudado na recuperação da crise

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

As vendas online têm ajudado os comerciantes do Shopping Popular de Cuiabá a driblar a crise e recuperar o faturamento perdido durante a pandemia de covid-19. Mas se você está imaginando lojas na internet, errou. A aposta é em vendas através do WhatsApp e ligações.

A ideia é manter os clientes e ainda diminuir os riscos de contágio. A dinâmica de compra é bem simples: o consumidor entra em contato diretamente com a banca de preferência. A partir daí, a compra é negociada diretamente com o comerciante.

A entrega pode ser feita por delivery ou retirada no estacionamento, sem que o cliente saia do carro ou moto.

“É um sistema muito bom, que favorece a nós comerciantes e também os clientes, porque mantém todos seguros. E, por incrível que pareça, os clientes gostam de usar esse meio de compra”, afirma o presidente da associação, Sivaldo Francisco de Oliveira.

(Foto: Reprodução)

Quem não tiver o contato de um box pode ligar para o número (65) 3624-8020 e ser direcionado para uma das bancas.

A medida também é bem vista pelos associados do grande complexo do Shopping Popular, que conta com mais de 600 lojas. Desses, segundo a associação, 30 deixaram de funcionar por causa da crise.

Os boxes ficaram cerca de 70 dias fechados por força de decreto. Atualmente, o funcionamento é de segunda a sábado, das 9h às 17h. O uso de máscara é obrigatório.

LEIA TAMBÉM

Para o segundo semestre, Sivaldo espera um aumento no movimento.

“Acredito que com as normas de relaxamento, aliada a queda no indíce de infecção e mortalidade vai fazer com que as pessoas tenham confiança de sair de casa e fazer suas compras”, analisa.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNova paralisação
Próximo artigo“Não vou desistir!”