Prefeito Emanuel Pinheiro garante que tarifa de ônibus não sobe em 2020

“Usuário não aguenta pagar mais”, alertou o prefeito, garantindo que aumento não é solução

(Foto: Ednilson Aguiar / O Livre)

O preço da passagem de ônibus em Cuiabá não vai aumentar em 2020. A afirmação foi feita pelo prefeito Emanuel Pinheiro, nesta segunda-feira (23). Atualmente, o valor cobrado na Capital é de R$ 4,10.

À imprensa, Pinheiro revelou ter conversado com os empresários do setor de transporte, garantindo que o aumento na tarifa “não é a solução”.

É que, em 2019, as empresas pediram um reajuste para R$ 4,25, devido ao custo do sistema. A proposta, porém, foi rejeitada pela Arsec, agência que regulamenta os serviços públicos delegados em Cuiabá.

De acordo com o prefeito, um reajuste é promovido em todo mês de janeiro para corrigir os valores gastos pelos empresários. Contudo, ele não seria feito em 2020.

“O usuário não aguenta pagar mais. O setor produtivo, que banca sua parte do usuário do transporte, não aguenta pagar mais”, garantiu.

O chefe do Executivo ainda destacou que o aumento da tarifa provoca um ciclo vicioso, porque afasta os passageiros. Com menos usuários, arrecada-se menos e encarece ainda mais o sistema de transporte. Por sua vez, pede-se novamente o aumento de tarifa para garantir o equilíbrio econômico. 

Conforme Pinheiro, a proposta é melhorar o transporte, oferecendo mais conforto ao usuário. Por isso, segundo o prefeito, a ideia é que, assim que assumirem as linhas, as novas empresas ofereçam ao menos 50% de frota com ar-condicionado.

O prefeito ainda citou controle mais rigoroso no cumprimento de horários, além de “motoristas responsáveis”.

O prefeito, porém, reconheceu que as empresas devem sofrer impacto diante dos pedidos previstos na licitação. Por isso, anunciou que uma equipe técnica já analisa formas para desonerar o sistema, sem cobrar da população.

Já em 2021 o valor deve aumentar. Contudo, a tarifa deve ser calculada com base apenas no segundo semestre, considerando o tempo de circulação das novas empresas, segundo o prefeito.

Licitação

O contrato com as novas empresas de transporte, que dividirão Cuiabá em quatro mercados, foi assinado nesta segunda-feira. Elas têm 180 dias para começar a operar na Capital, que ainda conta com um contrato emergencial com as antigas concessionárias.

A licitação é válida por 20 anos, podendo ser prorrogada por mais cinco.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNovas empresas de ônibus de Cuiabá têm 180 dias para assumir linhas
Próximo artigoLicitação do Júlio Müller fica para janeiro