Justiça suspende decreto que liberava a reabertura de casas noturnas e academias em Sapezal

Decreto permitia ainda que a partir de 5 de abril, população pudesse realizar festas e permanecer em bares

(Imagem ilustrativa/Freepik)

A partir de pedido liminar do Ministério Público, a Justiça determinou a suspensão de incisos de decreto da Prefeitura de Sapezal que autorizava o funcionamento de casas noturnas e academias.

A promotoria do município pediu a suspensão imediata de parte do decreto que segundo o MP, relativiza medidas de prevenção ao coronavírus. Incisos do documento autorizavam que a população pudesse realizar festas e permanecer em bares a partir do dia 5 de abril.

Caso a decisão seja ignorada, a prefeitura terá que pagar multa diária no valor de R$ 1 mil.

Flexibilização das regras

Na ação, o promotor de Justiça João Marcos de Paula Alves ressalta que os dois decretos anteriores ao 37/2020 defendiam uma série de restrições à aglomeração de pessoas, mas a administração municipal decidiu flexibilizar algumas medidas, levando em consideração a realidade local.

“Seja em decorrência dos mais recentes posicionamentos emitidos publicamente pelo presidente da República, seja pela emissão do Decreto nº 425/2020, pelo governador do Estado de Mato Grosso, o questionado Decreto Municipal nº 037/2020 pelo Município instaurou risco de danos incomensuráveis frente à pandemia global”, destacou o promotor de Justiça.

Ele acrescentou ainda que com a edição desse Ato Normativo, o Município de Sapezal/MT foi na contramão do apregoado pelos órgãos de saúde mundiais, nacionais e estaduais.

“Vê-se que o próprio ato normativo é de duvidosa legalidade e constitucionalidade, pois usou como ‘considerandos/fundamentos’ a adoção de medidas preventivas ao combate da COVID-19, mas o que se viu foram regulamentações que, pelo contrário, reduzem os cuidados com a população, vinculados intimamente com aspectos não jurídicos, afrontando também o direito à vida e à saúde da população sapezalense”, argumentou.

A liminar foi proferida nesta sexta-feira (27) pelo juiz de Direito Daniel de Souza Campos.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPor que na Alemanha o enfrentamento ao coronavírus tem sido tão bem-sucedido?
Próximo artigoEmpresa reduz limite de cartões de crédito de clientes durante pandemia de coronavírus

O LIVRE ADS