Hospital Central: Mauro tem até fevereiro para cumprir acordo firmado por Taques

Taques assinou acordo com o MPF para construção do complexo Cidade Saúde e deixou o governo sem cumpri-lo

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Governo de Mato Grosso tem até fevereiro para adotar as medidas necessárias para retomar as obras no Hospital Central do Estado e do projeto “Cidade da Saúde”. Do contrário, deve pagar uma multa diária de R$ 30 mil por descumprimento de determinação judicial.

A sentença foi estipulada pelo juiz federal Rodrigo Gasiglia de Souza, em substituição na 3ª Vara Cível de Mato Grosso, no dia 12 de dezembro. Ele atendeu a um pedido do Ministério Público Federal (MPF) e deu 60 dias de prazo para o Estado.

À Justiça, o MPF lembrou que o Hospital Central é uma obra antiga, paralisada há mais de 30 anos, e que desde 2003 busca solução para a construção. Ainda segundo o órgão, na gestão Pedro Taques (PSDB) foi anunciada a construção do Complexo Cidade da Saúde, que abrigaria diversos serviços e previa.

Segundo o processo, fazem parte do projeto o Centro Estadual de Referência de Média e Alta Complexidade (Cermac), o Laboratório Central de Saúde Pública de Mato Grosso (Lacen), a Central de Regulação do Sistema Único de Saúde e o Hospital Materno Infantil.

Na época, um acordo judicial, que previa que as obras seriam concluídas desde setembro de 2016, foi firmado com o Estado. Contudo, passados quatro anos, o projeto não andou.

Então, o MPF quer que o atual governador, Mauro Mendes (DEM), dê andamento no acordo.

Orçamento

O órgão queria que a Justiça determinasse ao Estado a inclusão orçamentária da construção do complexo e do Hospital Central no Plano Plurianual (PPA 2020/2023). É nele que o Estado define metas e ações a serem seguidas em médio e longo prazo.

O juiz, apesar de atender parcialmente o pedido do MPF, destacou que não cabe ao Judiciário mexer na programação orçamentária do Estado. No entanto, ele destacou que fixar medidas para o cumprimento do acordo judicial já firmado não seria violação ao princípio da separação dos poderes.

Dessa forma, determinou que Mauro adote as medidas necessárias para o cumprimento do acordo. Mesmo com a decisão, o PPA foi apresentado e aprovado na Assembleia Legislativa sem a inclusão do orçamento para a conclusão das obras.

Dinheiro garantido

No mês que antecedeu a ação, o governador chegou a anunciar a retomada da obra, com custo de R$ 135 milhões. Segundo o cronograma, uma licitação deve ser lançada em fevereiro deste ano.

O espaço, que deverá ter de 23 mil m², deve ser construído com dinheiro recuperado de atos de corrupção, segundo Mauro. Os valores serão doados pelos Ministérios Públicos Estadual e Federal, e pela Controladoria Geral da União.

Até o momento, sabe-se que o Estado tem ao menos R$ 121 milhões destinados à obra. Desses, R$ 75 milhões são oriundos de um acordo firmado com a JBS. Outros R$ 46 milhões são repasses dos Ministérios Públicos.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDança das cadeiras no TCE
Próximo artigoLíder de quadrilha de assalto a bancos é executado em Mato Grosso

O LIVRE ADS