Energisa vai indenizar cliente que teve fatura triplicada após incêndio

Cliente relatou que aparelhos eletrônicos queimaram após curto-circuito no poste

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Um morador de Cuiabá deve receber R$ 6 mil, a título de danos morais, da concessionária de energia elétrica no Estado, Energisa, depois que teve diversos aparelhos eletrônicos queimados após o poste que abastece sua casa pegar fogo e ele receber faturas com o dobro do seu consumo real. A decisão é do juiz Emerson Luis Pereira Cajango e foi proferida no dia 21 de fevereiro.

No processo, o morador contou que o caso aconteceu no dia 11 de abril de 2015. O poste com medidor de energia pegou fogo e causou um curto-circuito na rede elétrica da casa. Na ocasião, ele ligou para a empresa e, uma hora depois, técnicos foram enviados para o local.

Já era tarde demais. Àquela altura, a situação se transformou em um incêndio que atingiu toda a fiação elétrica da casa e danificou aparelhos eletrônicos. Só para refazer a fiação da casa, o homem alegou que precisou desembolsar R$ 813.

Depois do ocorrido, uma nova ordem de serviço teria sido aberta na empresa para atender o problema, mas nada foi resolvido, segundo o processo. Ainda segundo o homem, nos meses seguintes, ele foi surpreendido com faturas consideradas exorbitantes, de R$ 678,49 e R$ 435,33, que não estariam condizentes com o real consumo da casa.

Por não ter condições de arcar com o valor da fatura, ele entrou com uma ação de concessão de tutela para impedir que a Energisa interrompesse o fornecimento de energia no imóvel. Para isso, ele pagaria R$ 360, que seria o valor médio do consumo da casa. À época, o pedido foi aceito pela Justiça.

Indenização

Além do pedido de tutela, o morador também pediu a declaração de inexistência débito e condenação da empresa por danos morais e materiais. Ao julgar o processo, quase quatro anos depois, o juiz também atendeu ao pedido.

O magistrado considerou o caso simples, já que bastou conferir o histórico de consumo da casa para perceber a mudança nos valores cobrados. Conforme os documentos que o homem anexou no processo, nos meses anteriores ao incêndio, as faturas de energia foram de R$ 108,94 a R$ 240,63, ou seja, após o incidente, os valores triplicaram, o que caracterizou “falha na prestação de serviços”.

Cajango fixou o valor da indenização em R$ 6 mil, “para amainar o sofrimento experimentado pela autora, sem que isso importe em enriquecimento indevido”, observou. O valor também deverá ser corrigido monetariamente pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

A Energisa ainda pode recorrer da decisão.

Leia também

MPE investiga irregularidades em licitação de R$ 3 bilhões para reparos em rodovias

Há 11 meses sem pagar aluguel, inquilino se recusa a deixar casa

Cliente que teve mala extraviada e ouviu que bagagem nunca foi despachada é indenizado

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCarnaval em família? Confira o que rola nos shoppings de Cuiabá e Várzea Grande
Próximo artigoMega-Sena acumulada sorteia prêmio de R$ 46 milhões nesta quinta-feira