Desembargador manda soltar jovem que atropelou família, mas arbitra R$ 100 mil de fiança

Juiz de Cuiabá havia decretado a prisão preventiva de Wesley Patrick Villas Boas de Souza

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Wesley Patrick Villas Boas de Souza, de 23 anos, conseguiu decisão favorável por sua liberdade na noite dessa quinta-feira (2), no Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT).

O rapaz está preso na Polinter desde a manhã de terça-feira (31 de dezembro), quando atropelou Cleide Batista, 45 anos, e seus dois filhos, Brenda Melissa Batista, três anos, e Bruno Cleber Josail dos Santos, 10 anos, na Avenida dos Trabalhadores, em Cuiabá. As duas crianças morreram.

A decisão do TJMT, tomada pelo desembargador plantonista Márcio Vidal, é liminar. Ou seja, provisória.

Para a liberdade, Márcio Vidal determinou o pagamento de fiança no valor de R$ 100 mil e o recolhimento da Carteira Nacional de Habilitação de Wesley.

Ainda não há informações se a família do acusado pagou a fiança estipulada.

Leia também:

Ontem, Wesley passou por audiência de custódia, na qual teve a prisão em flagrante convertida para preventiva.

A decisão foi tomada pelo juiz Wladymir Perri, da Terceira Vara Criminal de Cuiabá.

O magistrado considerou que, apesar de não ter fugido e ter chamado o socorro, havia “clamor público” pela prisão de Wesley, que quase foi linchado em razão do acidente.

Conforme o juiz, a segregação do suspeito seria uma medida para resguardar sua própria integridade física.

A advogada o acusado recorreu, alegando que a decisão que o manteve preso é ilegal. Informou que Wesley é réu primário, trabalha e tem residência fixa. Além disso, prestou socorro às vítimas e não fugiu do local do acidente.

O desembargador reconheceu as alegações e ainda destacou que a decisão do juiz Wladymir Perri, pautada na ordem pública e clamor social, não é “motivação idônea” para justificar a prisão preventiva.

100 salários

O desembargador chamou o caso de “grave tragédia” e destacou que, inicialmente, pesa contra Wesley o crime de homicídio culposo (sem intenção) e que a legislação “não admite a decretação da prisão preventiva”.

As medidas são fiança de 100 salários mínimos, recolhimento de CNH, comparecimento mensal em juízo e proibição de se ausentar da Comarca de Cuiabá.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

3 COMENTÁRIOS

  1. Quando é conveniente usa-se o “clamor popular” quando não a letra fria da lei. É muito triste o acontecido mas vamos reconhecer que as vítimas não usaram a faixa de pedestres e se colocaram em risco. Não se pode ter um país assim.

    • Edu affff vc deve ser parente do motorista. Nao importa se tava ou nao tava pasando na faixa foi vidas embora por falta d atencao do motorista principamente pois como a avenida e larga se ele prestase mais atencao nao teria acondecido isso

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJuiz diz que jovem não teve intenção de atropelar, mas prisão atende a “clamor público”
Próximo artigoPreço da carne cai para o consumidor, diz Ministério da Agricultura

O LIVRE ADS