Juiz diz que jovem não teve intenção de atropelar, mas prisão atende a “clamor público”

Magistrado considerou tentativa de linchamento "clamor popular" e decretou a prisão em defesa da ordem pública

(foto: Divulgação/PMMT/ e Reprodução/TVCA)

O juiz Wladymir Perri, da 3ª Vara Criminal de Cuiabá, ressaltou que Wesley Patrick Villas Boas de Souza, de 23 anos, não teve a intenção de causar o atropelamento que resultou na morte de duas crianças.

No entanto, a decisão pela prisão preventiva do acusado atenderia a um “clamor popular”.

A informação consta no termo da audiência de custódia, realizada na noite de ontem (1º).

O acidente ocorreu na Avenida dos Trabalhadores, em Cuiabá. O caso aconteceu na manhã do dia 31 de dezembro, quando as vítimas e a mãe, de 45 anos, atravessavam a via.

Na audiência, o juiz disse que, embora Wesley não tivesse saído de casa com a intenção de causar o acidente, o motorista deve ter cuidado e prudência no trânsito. Para o magistrado, pelas informações levantadas até o momento ficou claro que essa prudência não ocorreu.

Apesar do comentário, Wladymir Perri frisou que o dolo (isto é, a intenção de provocar o acidente) ainda não está afastado, e que o caso é investigado pela polícia.

O magistrado também citou que haveria um clamor popular para que Wesley fosse mantido preso, e que a decisão visava à própria segurança do acusado.

É que, mesmo não tendo fugido e chamado o socorro, Wesley quase foi linchado pelas testemunhas. Além disso, ele também teve o carro apedrejado. Esse fato acabou pesando para a conversão da prisão em flagrante em preventiva.

Conforme o juiz, a tentativa de linchamento é uma revolta popular, considerada “prova do clamor público”.

Wladymir Perri destacou que, não fosse a Polícia Militar, Wesley teria sofrido sequelas físicas, sendo que chegou a ser agredido no rosto por uma testemunha.

“Dessa forma, se temos um clamor público e clamor social, então, evidentemente que temos um dos requisitos da conversão da prisão preventiva, qual seja, a garantia da ordem pública”, considerou o magistrado.

A advogada de Wesley, Natali Akemi Nishiyama, chegou a pedir a substituição da prisão por medidas cautelares, o que não foi aceito.

Atropelamento

O caso aconteceu na manhã do dia 31 de dezembro, quando mãe e filhos tentavam atravessar a movimentada Avenida dos Trabalhadores. Segundo as informações, eles estavam voltando de um culto da igreja e tinham acabado de descer do ônibus.

Na tarde desta quinta-feira (2), imagens do acidente foram divulgadas na imprensa. É possível notar que a rua estava movimentada e que, mesmo assim, a família tentou atravessar. No local não há faixa de pedestre.

Um menino de 10 anos morreu no local, e a irmão, de três, morreu a caminho do hospital. Já a mãe foi socorrida e segue no Pronto-Socorro Municipal.

Leia também

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorApós ganhar videogame do neto, avó deixa de ir à igreja para jogar Minecraft
Próximo artigoDesembargador manda soltar jovem que atropelou família, mas arbitra R$ 100 mil de fiança

O LIVRE ADS