De quem é a culpa pelas queimadas? Deputado de MT defende pantaneiros

Dr. Leonardo (Solidariedade-MT) acredita que falta de investimento na prevenção dos incêndios é um dos problemas a ser considerado

Imagem feita pelo governo de Mato Grosso no dia 12 de setembro (Foto: Mayke Toscano/Secom-MT)

O Pantanal brasileiro já teve 3 milhões de hectares devastados em 2020, considerado o pior em 22 anos para o bioma quando o assunto são as queimadas. As chamas ainda não foram controladas e a conta final ainda deve ser feita. E já tem quem diga que as perdas sejam imensuráveis. Diante dessa tragédia, é possível encontrar um culpado?

Para o deputado federal por Mato Grosso, Dr. Leonardo (Solidariedade-MT), não são os pantaneiros e pantaneiras, criticados pela exploração agropecuária na região. Dizer isso, “é ignorar a omissão de responsabilidade do Poder Público em todas as esferas”.

“Não aceito culpar o homem e a mulher pantaneira de serem os causadores desse incêndio, desde o pequeno, que faz o extrativismo, aos outros, que produzem em maior escala. Essa foi uma tragédia que a gente anunciou ainda como deputado estadual. A última grande queimada nestas proporções aconteceu há 15 anos e nada foi feito desde então”.

Dr. Leonardo (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

De quem é a culpa, então?

Para o parlamentar – que e membro da Comissão do Meio Ambiente da Câmara e diretor da Frente Parlamentar do Agronegócio – uma série de fatores pode ser apontada como causadora da devastação do Pantanal, em 2020.

Ele cita o acúmulo de material orgânico no solo, a falta de investimento e as mudanças na legislação estadual, que “restringe metodologias para controlar grandes incêndios, como a restrição ao uso das gramíneas e os aceiros”.

“Não dá para culpar só um ente, mas onde é que foi parar o dinheiro do Prevfogo? O que foi feito com esse dinheiro?”, questiona.

O Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo) é um centro especializado, dentro da estrutura do Ibama, responsável pela política de prevenção e combate aos incêndios florestais em todo o território nacional.

Projeto em tramitação

Na Câmara dos Deputados, um projeto quer restringir a exploração no bioma. Entre as proibições previstas está o desmatamento da vegetação nativa – que só será autorizado em caso de utilidade pública, interesse social e atividade de baixo impacto ambiental. Em alguns casos, o corte da vegetação ficará expressamente proibida.

LEIA TAMBÉM

O projeto também prevê a proibição de construção de diques e barragens, cultivo de espécies exóticas de peixes, produção de carvão vegetal, plantio de transgênicos e de cana de açúcar e a instalação de abatedouros.

A proposta é de autoria dos deputados Alessandro Molon (PSB-RJ), Célio Studart (PV-CE) e Professora Rosa Neide (PT-MT).

(Foto: Reprodução)

A proposta, para Dr. Leonardo, precisa ser mais discutida e considerar, além dos conhecimentos acadêmicos, o saber de quem vive no Pantanal. “Precisamos ouvir os quilombolas, indígenas, os pequenos e os grandes produtores”, afirma.

Na avaliação dele, o cuidado com o bioma pode ser feito com capacitação de cooperativas, disponibilidade de tecnologia para os pecuaristas produzirem mais e também cuidarem melhor do meio ambiente. “É para além de restrições”, sugere o deputado.

“Proteger o Pantanal é proteger o povo pantaneiro, as comunidades. Proteger o Pantanal é proteger o pecuarista, o produtor rural. Temos que ouvir quem nasceu e se criou no ciclo das águas, que tem sabedoria, conhece o Pantanal e seus causos”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFim de pandemia? Vida volta ao normal lentamente, mas cuidados devem ser mantidos
Próximo artigoEmpresário é condenado a 18 anos de prisão depois de criticar censura na China