De paladina a cassada pela Justiça: Selma Arruda perde o cargo de senadora de MT

Ministros viram "provas incontestáveis" e condenaram Selma por caixa dois e abuso de poder econômico

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A maioria dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entendeu que a senadora por Mato Grosso Selma Arruda (Podemos) cometeu crime no pleito de 2018. Por isso, a condenaram à perda do mandato. 

A decisão foi tomada na noite desta terça-feira (10), em continuação ao julgamento iniciado no dia 3. A cassação foi determinada por seis votos a um. Apenas foi contrário à cassação de Selma o ministro Edson Fachin.

Agora, Selma e seu 1º suplente Gilberto Possamai estão inelegíveis pelos próximos oito anos.

Recurso

Em Brasília (DF), Selma recorreu de uma decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT) que cassou seu mandato em abril deste ano. Segundo o TRE-MT, ela omitiu um gasto de pouco mais de R$ 1,2 milhão na declaração enviada à Justiça Eleitoral. O caso configurou caixa dois e abuso de poder econômico.

O recurso contra a cassação começou a ser julgado na semana passada. Contudo, o relator do processo, ministro Og Fernandes, já havia votado pela manutenção da cassação. Para ele, não restou dúvidas de que Selma e seus suplentes cometeram os crimes eleitorais.

Og Fernandes lembrou que Selma admitiu algumas irregularidades e que as provas eram incontestáveis. Ele ainda lembrou que a senadora, quando juíza, chegou a atuar na Justiça Eleitoral e, por isso, deveria conhecer as regras.

O julgamento retornou nesta terça-feira, para voto dos ministros Rosa Weber (presidente), Luís Roberto Barroso (vice), Luiz Edson Fachin, Luis Felipe Salomão, Tarcísio Vieira de Carvalho Neto e Sérgio Silveira Banhos.

Como votaram

O ministro Luís Felipe Salomão foi o primeiro a votar e comentou que o prazo extra de uma semana para análise o ajudou a entender melhor o caso.

No voto, destacou que Selma já se articulava para as eleições de 2018 mesmo antes de ter a aposentadoria aprovada pela Justiça mato-grossense.

“Não era o caso de a magistratura inibir a situação? Realmente é uma situação que precisamos pensar”, manifestou, sugerindo uma “quarentena”.

No fim, Salomão ponderou que Selma cometeu tantos ilícitos que não seria possível destacar o mais grave. Ainda, que as provas levadas no processo confirmam os crimes eleitorais. Por isso, votou conforme o relator. Contudo, preferiu decidir sobre o prazo para novas eleições após voto dos demais ministros.

Tarcísio Vieria de Carvalho Neto foi o segundo. Ele afastou a maioria das teses preliminares das defesas. Assim como Salomão, ele citou a quantidade de provas que pesam contra Selma. Por fim, votou conforme o relator, pela cassação. Ele também não se posicionou quanto ao prazo para novas eleições.

Terceiro a emitir o voto, o ministro Sérgio Silveira Banhos também afastou a maioria das preliminares levadas no recurso e citou as provas incontestáveis. Ele votou, ao final, pela cassação da chapa.

“Tais elementos, ao meu ver, reforçam a conclusão da Corte de origem, no sentido de que a ilicitude dessa captação de recursos e sua duvidosa origem, tudo em prejuízo da isonomia e normalidade do pleito”, considerou.

Luís Roberto Barroso votou em seguida. Em um discurso rápido e constrangido, ele votou pela cassação. “Diante do conjunto de elementos materializados no voto do relator, não vejo como deixar de acompanhá-lo na integralidade”, disse.

No início, o ministro também comentou que fazia o voto com tristeza, e falou da “integridade” da juíza aposentada.

O sexto ministro a votar foi Edson Fachin. Ele iniciou dizendo que tinha divergências do voto do relator. Com um voto extenso, Fachin atendeu ao pedido do recurso, para anular a cassação do mandato.

Na mesma linha da defesa de Selma, o ministro destacou que não há, na legislação, ponderações sobre a pré-campanha. Para ele, algumas provas também deixaram dúvidas quanto a ilicitude dos atos e, nesse caso, ele defendeu o “princípio da inocência”.

Rosa Weber, presidente da casa, foi a última a votar e acompanhou o relator. Para a ministra, não restou dúvidas de que os gastos contestados se deveriam ser submetidos à contabilidade oficial.

Ela destacou que os parte dos valores questionados foram usados para materiais publicitários que usaram o mesmo nome que Selma viria a usar nas urnas. Com seu voto, Selma teve o mandato cassado por seis votos a um.

Atualizada às 21h40

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

3 COMENTÁRIOS

  1. moro e saia é bem parecido com o moro de calça…no entanto esse e muito mais protegido pro defender uma classe decadente que se diz liberais….que quer dizer tudo para os ricos e nossos filhos e nada para eles e pobres ….ainda acredita, que vai conseguir manter esse patriarcado mofado e poder concentrado em poucos….no final todos eles cairão…e a nova ordem global…nao se pode mais concentrar fortunas nesse mundo dinamico e conectado…os velhos costumes nao se sustentam mais….sustentabilidade, inclusão igualdade, democracia e direito a oportunidades para todos

  2. Infelizmente aconteceu o que todos já sabíamos.
    Senadora saiba que tenho a mesma linha de raciocínio da Sra, ou seja, perseguição, mas não podemos deixar de considerar o fato de que a Sra foi ingênua e se deixou complicar por pessoas que somente se aproximaram da Sra com o intuito de uzar seu nome como alavanca de votos e prestígio.

    Não desista da Política, pois precisamos de pessoas com sabedoria e índole nesse meio prostituido, subversivo e desonestos, que impacta a Vida do cidadão.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTSE julga cassação de Selma
Próximo artigoEm nova fase, João Reis lança canção “Uma Quase” em show no Cine Teatro Cuiabá

O LIVRE ADS