Condenado por corrupção, servidor da ALMT tem R$ 351,9 mil bloqueados pela Justiça

Em novembro, o mesmo servidor foi condenado a 15 anos de prisão por desvio de dinheiro público

(Foto: Fablício Rodrigues / ALMT)

O juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara de Ação Civil Pública e Popular de Cuiabá, determinou a penhora de R$ 351.924,89 das contas de Cristiano Guerino Volpato.

Ele é servidor da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) e, em novembro, foi condenado à prisão e ao ressarcimento dos danos causados aos cofres públicos por esquemas de corrupção.

A decisão que penhorou o dinheiro foi publicada no Diário de Justiça Eletrônico desta segunda-feira (2). A ação está vinculada a um processo que apura desvio de dinheiro da ALMT envolvendo o ex-deputado José Riva.

Conforme o despacho, inicialmente, o processo foi movido pelo servidor público contra a juíza Célia Regina Vidotti, que também atua na Vara de Ação Civil Pública.

O servidor tentou levantar a suspeição da juíza para analisar o caso, alegando que testemunhas teriam garantido que a magistrada era “inimiga capital” de José Riva. No processo consta ainda que a magistrada teria a intenção de prejudicar os envolvidos no caso.

Contudo, as alegações foram julgadas improcedentes pelo Tribunal de Justiça e a ação foi convertida para cumprimento de sentença.

Cristiano Volpato teria ressarcir aos cofres do estado R$ 227 mil e foi intimado para pagar, voluntariamente, sua condenação, mas permaneceu inerte.

Então, em 2017, a Justiça tentou penhorar valores para o pagamento, mas encontrou apenas R$ 222,36 na conta do servidor.

Até o momento, não foi informado se foi possível a penhora do novo valor, de R$ 351,9 mil.

Condenação

Cristiano foi investigado pela Polícia Federal e responde diversas ações oriundas da Operação Arca de Noé. A maioria se trata de ações cíveis, para ressarcimento aos cofres públicos.

Em novembro, porém, ele foi condenado na esfera criminal a 15 anos de prisão

O Ministério Público identificou 64 casos de peculato – isto é, desvio de dinheiro público -, e oito de lavagem de dinheiro, entre maio de 1999 e novembro de 2002. Cristiano Volpato era responsável pelo setor de Finanças e tinha “o dever de verificar os pagamentos que estavam sendo efetuados”.

O juiz Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, determinou, então, a perda da função pública dele e outros três servidores condenados por desviar dinheiro público. Ainda, os sentenciou à prisão e determinou o ressarcimento de R$ 3 milhões aos cofres do estado.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOlhe de outra forma
Próximo artigo“Não é taxando um produto que se consegue a verticalização”, diz presidente da Ampa

O LIVRE ADS