Acusada de desvio de dinheiro público, empresa segue fornecedora da ALMT

Tirante Construtora e Consultoria, que faz a manutenção do ar-condicionado da ALMT, é a mesma que superfaturou a construção do estacionamento

(Foto: Arquivo)

Dona de um contrato de quase R$ 5 milhões com a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) para manutenção de ar-condicionado, a Tirante Construtora e Consultoria coleciona investigações. As suspeitas são de irregularidades em obras com valores milionários com órgãos públicos do Estado.

Apesar da ficha corrida, a empresa continua disputando os certames da ALMT.

A mais recente dessas investigações é uma obra de R$ 6 milhões para ampliação da sede do Ministério Público de Contas de Mato Grosso (MPC-MT), em Cuiabá.

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT) e o MPC-MT decidiram rescindir o contrato da Tirante Construtora em razão de supostas irregularidades e serviços não executados.

Além da rescisão contratual, publicada no Diário Oficial em 12 de julho, a construtora foi multada em R$ 600 mil referentes ao percentual de 10% sobre o valor total da previsão de custo da obra.

A Tirante também foi condenada a ressarcir os cofres públicos em R$ 16 mil por serviços não executados, segundo decisão do TCE-MT.

Em outro procedimento administrativo da Corte de Contas, a Tirante foi condenada a devolver R$ 18,3 milhões aos cofres públicos, juntamente com o ex-presidente da ALMT Romoaldo Júnior (MDB) e o ex-primeiro secretário da Casa, Mauro Savi (DEM), além de três servidores públicos.

Savi, aliás, chegou a ser preso em maio de 2018, acusado de envolvimento em esquema de desvio de dinheiro do Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

No caso da Tirante, o processo envolve suspeitas de desvios na construção de um estacionamento para a ALMT. Em 14 de maio, o Pleno do TCE-MT negou recurso a Romoaldo Júnior, a Mauro Savi e aos outros investigados. Eles buscavam reverter a decisão que os condenou à devolução dos valores.

O estacionamento da ALMT tem dois andares e também dá acesso ao Teatro Zulmira Canavarros (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Sobrepreço

O maior superfaturamento da obra do estacionamento, a cargo da Tirante Construtora, segundo o TCE-MT, teria ocorrido em uma estrutura em material pré-moldado, empreendimento que teria levado a um prejuízo de R$ 7,4 milhões.

Somente o sobrepreço apontado na instalação de um sistema de iluminação de emergência teria custado R$ 1,3 milhão ao contribuinte, de acordo com o TCE-MT.

Outra fonte de desvio de dinheiro registrada na decisão do Tribunal: o memorial da obra registra compra de janelas no valor de R$ 86 mil. Detalhe, o estacionamento não tem  janelas.

Ação de improbidade

Sócio-administrador da Tirante Construtora e Consultoria Eirelli, o empresário Alyson Jean Barros foi alvo de uma ação de improbidade administrativa proposta pelo Ministério Público  de Mato Grosso (MPMT) em novembro de 2018.

A ação decorreu do suposto prejuízo causado aos cofres públicos no caso de superfaturamento de construção do estacionamento, segundo a 13ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa.

Para a Promotoria, houve “uma vergonhosa usurpação de dinheiro público durante a execução do contrato” e a ALMT “pagou mais de R$ 16 milhões em serviços não executados ou parcialmente executados, enriquecendo indevidamente a Tirante Construtora e seus sócios Alan Marcel de Barros e Alyson Jean de Barros, além de Anildo Lima Barros, que atuou como representante de fato da empresa”, assinala a peça encaminhada à Justiça de primeira instância.

Alan Marcel não figura mais como sócio da Tirante, de acordo com consulta ao quadro de sócios e administradores da base de dados da Receita Federal. Anildo Barros é ex-prefeito de Cuiabá.

A Tirante é uma empresa com capital social declarado em R$ 7 milhões e tem sua situação cadastral constando como temporariamente interrompida desde 12 de março deste ano.

Também figuram como réus na ação de improbidade Romoaldo Júnior, Mauro Savi, Anildo Barros; além deles, os servidores que fiscalizaram a obra, Valdenir Rodrigues Benedito, Mauro Kazuo Iwassake e Adilson Moreira da Silva.

Outro lado

A Assessoria de Imprensa da Assembleia foi procurada, mas não quis se posicionar e nem responder aos questionamentos do LIVRE.

LEIA TAMBÉM:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJohn Krasinski irá dirigir e estrelar comédia de fantasia ao lado de Ryan Reynolds
Próximo artigoÉ AL, mas pode chamar de Alasca: ar-condicionado para deputados custa R$ 1,8 milhão por ano

O LIVRE ADS