Vagas no SUS aumentam na pandemia, mas podem sumir junto com o novo coronavírus

Urgência por internação fez déficit de décadas ser solucionado em quatro meses, mas vai depender da vontade política que isso perdure

(Foto: Mayko Toscano/ Secom-MT)

O número de leitos de enfermaria e de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) no Sistema Único de Saúde (SUS) em Mato Grosso cresceu 35% com as exigências impostas pela pandemia do novo coronavírus.  

A alta representa uma melhora não vista há décadas na prestação do serviço e executada em um intervalo de quatro meses. Mas ainda é incerto o quanto disso deve permanecer com fim da crise sanitária. 

Dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES), compilados a pedido do LIVRE, mostram que os leitos clínicos passaram de 869, quantidade disponível até o fim de fevereiro, para 1.181, número registrado só até esta semana. 

A principal evolução ocorreu no campo das UTIs. A disponibilidade cresceu 121%, passando de 114 para 253. Os hospitais regionais foram os mais beneficiados, visto que têm funcionado como centros de referência para o tratamento da covid-19. 

As enfermarias também cresceram expressivamente, apesar de ficar bem abaixo dessa marca. Conforme os dados da SES, as vagas subiram de 755, no fim de fevereiro, para 928 em julho (22%). 

Os dados são referentes aos hospitais administrados pelo Estado. Uma medição que inclui a rede privada mostra que a quantidade de leitos de internação em Mato Grosso ganhou 807 unidades nos meses da pandemia. 

Hospitais particulares são responsáveis por 500 deles, conforme levantamento do Conselho Federal de Medicina (CFM). 

O SUS em Mato Grosso co-financia 45 leitos de UTI da rede privada para atendimento de pacientes da covid-19, juntos a hospitais filantrópicos e particulares. Vagas que podem sair da rede ao fim da pandemia. 

Leitos de UTI foram os que mais cresceram em Mato Grosso com a chegada do novo coronavírus (Foto: Reprodução/Assessoria da Prefeitura de Cuiabá)

Problemas financeiros 

Esse aparato de saúde, contudo, pode ruir nos próximos meses. A tendência é que o financiamento tripartite (União, Estado e municípios) encerre com o fim da pandemia. 

“Nós esperamos que esses leitos não sejam pontuais e temporários. Pedimos aos gestores que os mantenham, porque isso significa melhora da saúda população. Mesmo que a União não contribua com o mesmo valor, mas que mantenha a ajuda”, diz a doutora Hildenete Monteiro Fortes, presidente do Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT). 

LEIA TAMBÉM

Ela explica que o déficit de leitos antes da pandemia está relacionado com a defasagem da tabela SUS, o parâmetro usado para estabelecer quanto cada serviço custa, mas que está há cerca de 30 anos sem correção dos valores. 

Com a pandemia e a urgência de incrementar o número de leitos, o governo federal, junto com Estados e municípios, financiaram com melhores preços os serviços. Conforme a SES, um leito de UTI tem custado R$ 2 mil diários para o Poder Público. 

Antes da crise sanitária, o preço pago variava entre R$ 1,6 mil e 1,7 mil. 

“O preço pago pela tabela SUS não dá nem para cobrir os gastos com antibióticos do paciente, é impossível manter um leito disponível assim”, disse a médica. 

Em Mato Grosso, a maioria dos municípios dependem das cidades polos e da Capital para que seus pacientes tenham acesso aos serviços de saúde pública. Mas, se ocorrer a saída da União nessa linha de financiamento, o Estado tende a suspender a contribuição e os municípios não terão condições de manter os novos leitos. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDecoração para apartamento alugado
Próximo artigoVárzea Grande adota barreiras sanitárias em bairros com maior incidência da covid