Vaga de vice de Taques será usada para atrair novos partidos

    Dentre as legendas que mantêm diálogo com o grupo estão o PTB e PP

    (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

    O grupo que dá sustentação à pré-candidatura do governador Pedro Taques (PSDB) à reeleição ainda acredita na possibilidade de agregar mais partidos à coligação e, como barganha, guarda a vaga de vice-governador a sete chaves.

    “Estamos conversando com vários partidos, ouvindo os que estão conosco e aqueles que virão. O vice é decidido até o dia da eleição (7 de outubro), estamos construindo a pré-candidatura e vai ser definido no momento correto”, declarou Pedro Taques na última terça-feira (24) ao lançar sua pré-candidatura.

    Conforme o presidente do PSDB, deputado federal e pré-candidato ao Senado, Nilson Leitão, dentre as legendas que mantêm diálogo com o grupo estão o PTB e PP, hoje no arco de alianças do pré-candidato ao Governo Wellington Fagundes (PR), e o PRB e PSD, que compõem a chapa que tem Mauro Mendes (DEM) como possível candidato ao Executivo.

    O PTB, que foi um dos incentivadores da candidatura de Wellington, está muito próximo de declarar apoio ao grupo, segundo Leitão. Luiz Antônio Pagot, inclusive, chegou a ser convidado para ser coordenador-geral da campanha de Taques, mas ainda analisa os negócios particulares antes de dar uma resposta.

    Segundo o parlamentar, o PP também tem mantido diálogo com a coligação. Partido do ministro da Agricultura Blairo Maggi, o progressista é comandado no Estado pelo deputado federal Ezequiel Fonseca, oposição ferrenha ao governador. O ex-ministro Neri Geller, por sua vez, é próximo ao governador.

    A direção do PSD está com Mauro, mas internamente o partido está dividido. O ex-vice-governador Carlos Fávaro é presidente regional da sigla e tem uma vaga de candidato ao Senado na chapa de Mendes, mas deputados estaduais do PSD querem seguir com Taques. Nos bastidores, inclusive, o nome de Roberto Dorner (PSD) é um dos cotados para vice.

    O PRB, do deputado federal e pré-candidato ao Senado Adilton Sachetti, também busca uma vaga na disputa ao Senado. Está com Mauro, mas ainda não tem essa vaga garantida.

    “Lançamos a pré-candidatura do governador e as duas ao Senado. Agora é hora de tirar o pé do acelerador e aguardar. Na próxima semana muita coisa ainda pode acontecer, temos que continuar conversando com o máximo de partidos possível e ter calma”, declarou Leitão.

    Hoje, o grupo que sustenta a pré-candidatura de Taques é composto por PSDB, PPS, PSB, PSL, Solidariedade, Patriota, PRTB e Avante. A convenção dos tucanos está marcada para o último dia de prazo para oficialização das candidaturas, 5 de agosto, às 9h.

     

    Use este espaço apenas para a comunicação de erros





    Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

    DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Artigo anteriorTRE acata recurso do MPE e vereadores podem ser cassados
    Próximo artigoCom greve dos caminhoneiros, MT deixou de arrecadar R$ 160 mi de ICMS