UFMT vai usar energia solar após corte em 2019 por dívida de R$ 5 milhões

Previsão é que R$ 130 mil sejam economizados todos os meses somente em Cuiabá com a instalação das placas fotovoltaicas

Em 2019, o fornecimento de energia elétrica na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) foi suspenso por falta de pagamento. À época, a então reitora, Myrian Serra, apontou uma dívida de R$ 5 milhões. Dois anos depois, pensando em sustentabilidade e economia, a UFMT vai instalar 1,5 mil placas fotovoltaicas.

Em termos práticos, as novas placas devem produzir mais de 200 mil kWh/mês, garantindo uma economia de mais de R$ 130 mil mensais para a UFMT, no câmpus de Cuiabá.

Atualmente, as empresas estão em fase de desenvolvimento do projeto, realizando o estudo de viabilidade. A previsão é que as placas comecem a ser fixadas até maio. Além da Capital, os câmpus do Araguaia e de Sinop também receberão contemplados.

“A preocupação com a sustentabilidade, em todos os sentidos, deve ser uma preocupação de toda sociedade. E as universidades, para além da pesquisa e desenvolvimento de tecnologias, devem, também, dar exemplos práticos”, aponta o reitor, professor Evandro Soares da Silva.

A ação faz parte do projeto UFMT “Construindo o Futuro”, que visa dar as bases para o desenvolvimento da Instituição nos próximos 50 anos.

“Os resultados desse projeto se traduzirão através de benefícios econômico-financeiros na conta de energia elétrica e também do ponto de vista ambiental, reduzindo as emissões de carbono”, afirmou o coordenador do Núcleo Interdisciplinar de Estudos em Energia e Planejamento Energético (NIEPE), Ivo Leandro Dorileo.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVaga de Barranco
Próximo artigoFóruns de Mato Grosso serão fechados por duas semanas após aumento de casos de covid-19