STJ nega recurso e mantém deputado de MT condenado por improbidade

Juarez Costa é suspeito de irregularidades ao autorizar contratação sem concurso público quando foi prefeito de Sinop

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou prosseguimento a um recurso especial protocolado pelo deputado federal Juarez Costa (MDB), mantendo assim os efeitos de uma condenação por improbidade administrativa pela suspeita de irregularidades enquanto exerceu o mandato de prefeito de Sinop (479 km ao Norte de Cuiabá).

A decisão foi dada pelo ministro Ribeiro Falcão.

A defesa do parlamentar argumentava que a decisão colegiada do Tribunal de Justiça de Mato Grosso interpretou com divergência a lei de improbidade administrativa, pois “a existência de lei autorizativa da contratação temporária afasta o dolo da conduta, impossibilitando a condenação do agente por improbidade administrativa”.

Entretanto, o ministro Ribeiro Falcão ressaltou que ficou configurada a improbidade administrativa pela contratação de diversos servidores sem concurso público em Sinop, o que foi autorizado pelo poder Executivo na época dos fatos.

“A contratação de servidores, sem concurso público, somente se mostra lícita, se houver comprovação de que atende à necessidade temporária de excepcional interesse público”, disse.

Agora, a defesa do deputado Juarez Costa pode ingressar com agravo interno para que a rejeição quanto ao acolhimento do recurso especial seja julgado pelo colegiado do STJ.

As condenações por improbidade administrativa podem levar o parlamentar a ser considerado ficha suja, o que impediria de obter o registro de candidatura nas próximas eleições. A lei complementar 135/2010 diz que é necessário configurar irregularidade insanável e que fique devidamente comprovado o ato doloso de improbidade administrativa.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorConfiança no governo federal
Próximo artigoAlém da dose única, o que a Janssen tem de diferente das outras vacinas?