“Só quem tem problema mental não muda de opinião”, diz Taques sobre reeleição

Defensor do fim da reeleição quando senador por Mato Grosso, o governador Pedro Taques (PSDB) deve estar na disputa eleitoral deste ano por mais um mandato à frente do Executivo

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Defensor do fim da reeleição quando senador por Mato Grosso, hoje o governador Pedro Taques (PSDB), que deve estar na disputa eleitoral deste ano por mais um mandato à frente do Executivo Estadual, reconhece que não é possível fazer tudo em quatro anos e diz que agora é a favor pelo princípio da continuidade.

“Só quem tem problema mental não muda de opinião. Eu era contra a reeleição, defendia que o mandato deveria ser de cinco anos sem reeleição, mas em quatro anos não dá para fazer tudo. Mudei de opinião sem abrir mão do princípio da moralidade. Sou a favor da reeleição desde que se cumpra a lei e não se faça o diabo para ganhar”, declarou em almoço com a imprensa nesta terça-feira (17), no Palácio Paiaguás.

O governador ainda pontuou que passou três anos tratando de documentos para solucionar as questões que paralisaram as obras do Complexo da Salgadeira, em Chapada dos Guimarães, e do trevo do Santa Rosa, em Cuiabá. “A obra em si demorou apenas sete meses. A Lei da Licitação demora demais. É muito tempo para discutir papel”.

Na oportunidade, Taques também disse que mudou de ideia em relação a parlamentares assumirem cargos no Executivo. “Quando era senador apresentei uma Proposta de Emenda à Constituição para impedir que deputados estaduais e federais exercessem cargos no Executivo, que não foi aprovada. Hoje eu mudei de opinião, percebi que precisamos dessa oxigenação”.

Numa cutucada aos ex-aliados, que hoje compõe um dos grupos da oposição a sua possível candidatura à reeleição, o governador ressaltou que mudou de ideia, mas não de princípios. Para isso, insinuou que o pré-candidato ao governo Mauro Medes (DEM) e seu provável vice, Otaviano Pivetta (PDT), hoje contam com o apoio do ex-presidente da Assembleia Legislativa José Geraldo Riva, que já foi preso por corrupção.

“Uma vez o Pivetta me contou que o Riva disse que ele deveria me mudar e que ele teria: o Pedro Taques é uma mula, só entregando para Deus. Eu não mudo os meus princípios e hoje o Riva está apoiando quem?”, questionou numa referência a composição do MDB com o grupo, partido da deputada estadual Janaina Riva, filha do ex-presidente.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMinistério reforça ações de combate às fake news sobre vacinas
Próximo artigoSindicato presidido por irmão de Milan define apoio à oposição na eleição da FIEMT

O LIVRE ADS