Procurador-geral diz que PEC promove “autoproteção” a políticos

José Antônio Borges diz que ações de promotores e procuradores terão interferência diária em novo formato do CNMP

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Chefe do Ministério Público de Mato Grosso, o procurador-geral José Antônio Borges disse que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que altera a composição e a competência do Conselho Nacional dos Ministérios Públicos (CNMP) “desconfigura e filtra” as ações dos MPs. 

Segundo ele, se aprovado o texto, o Conselho passa a interferir diretamente nas ações cotidianas de investigação e os promotores serão “barrados administrativamente”, antes mesmo do envio de processos ao Judiciário. 

O procurador citou exemplos de investigações nos âmbitos da legislação ambiental, da Maria da Penha e da Improbidade Administrativa que poderão ser barradas. 

“O Conselhão desconfigura o Ministério Público e volta ao estado que era antes da Constituição Federal de 1988, quando o Ministério estava sujeito ao Executivo. Se o texto foi aprovado no Congresso, nós vamos ficar tolhidos e os políticos terão uma autoproteção”, afirmou. 

Interferência pública e política

O procurador-geral convocou uma coletiva de imprensa de urgência para a tarde desta quarta-feira (13) para falar sobre a PEC nº 5, que está prestes a ser votada pela Câmara Federal. A maior crítica foi feita ao artigo da proposta que autoriza o CNMP a revisar as ações dos Ministérios Públicos. 

O texto diz que revisões e mudanças nas ações dos órgãos poderão ocorrer quando foi interpretado pelos membros do CNMP que cargo está sendo utilizado com o objetivo de “interferir na ordem pública, na ordem política, na organização interna e na independência das instituições e dos órgãos constitucionais”. 

“A atividade fim do Ministério Público é interferir na ordem pública. O Ministério investiga e, se houver algum questionamento, qualquer cidadão poder ir à Justiça para rever as medidas. Nós só existimos com independência porque temos uma situação política democrática, ou seja, não faz sentido essa PEC”, disse o procurador-geral. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro confirma que não vai tomar vacina contra a covid-19
Próximo artigoVendas de Seguidores Instagram Cresce 187% em 2021