CNMP: PEC dá mais relevância ao lado político dos Ministérios Públicos

Alteração criticada por integrantes dos MPs amplia indicações do Senado e da Câmara dos Deputados na formação do conselho

O Congresso Nacional deve votar nos próximos dias uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC nº 5) que alteração a composição do Conselho Nacional dos Ministérios Públicos (CNMP), órgão que orienta e fiscaliza os ministérios estaduais e federal. 

A PEC propõe mudanças nas regras para a indicação dos 14 membros, tirando o poder do CNMP e repassando mais ao Senado e à Câmara Federal. O texto foi apresentado pelo deputado federal Paulo Teixeira (PT), no contexto das investigações da Lava-Jato, com a justificativa de controle de ações dos MPs. 

A PEC estava em análise em comissão especial e na semana passada, o presidente da Câmara, deputado federal Arthur Lira (PP), decidiu enviá-la para votação em plenário. 

Mudanças 

O Conselho Nacional dos Ministérios Públicos é formado hoje por 14 membros, com indicação de uma vaga nata pelo Ministério Público do Distrito Federal, 3 pelos ministérios públicos estaduais, 3 pelo Ministério Público Federal (MPF), 3 pelo Ministério Público Militar, 2 por entidades de advogados (OAB e outros conselhos), 1 pelo Senado e 1 pela Câmara. 

A PEC amplia de 14 para 15 o número de integrantes do CNMP, e aumenta de duas para quatro as indicações que a Câmara e o Senado podem fazer. O Ministério Público perde uma indicação. 

A nova versão também dá ao Congresso o poder de escolher o vice-presidente do conselho, que passaria a acumular a função de corregedor-geral do Ministério Público. 

O corregedor é o responsável pela condução de processos disciplinares contra promotores e procuradores. Hoje, o vice-presidente é o vice-procurador-geral da República, e o corregedor é eleito.  

“Essa mudança para corregedor-geral pode ter influência política e fará o conselho perder a sua autonomia. O presidente vai acumular o cargo de corregedor-geral e poderá controlar a ideologia mais próxima ao Congresso. Isso vai ser um retrocesso”, disse o presidente do CNMP em Mato Grosso, Rodrigo Fonseca.  

Revisão de decisões 

A PEC nº 5 suprime a indicação nata do MPDF ao Conselho. Também amplia indicação de membros a juízes ministros dos tribunais. 

Outro ponto criticado por integrantes de Ministérios Públicos é a regra que dá ao conselho o poder de rever e mudar decisões de integrantes do MP. Isso poderá acontecer quando foi interpretado pelos membros que cargo está sendo utilizado com o objetivo de “interferir na ordem pública, na ordem política, na organização interna e na independência das instituições e dos órgãos constitucionais”. 

A autorização de modificação poderá valer para qualquer ação do MP, como denúncias e acordos de colaboração premiada. Essas modificações são feitas hoje pelo Poder Judiciário. 

Questionado sobre a justificativa de controle de ações do MP, Rodrigo Fonseca, disse que já existem hoje mecanismos para fiscalizar as investigações. Ele evitou atribuir teor político-partidário às mudanças em votação.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem atira na ex-mulher após ela negar reatar relacionamento e quase é linchado
Próximo artigoMenina de sete anos morre após padrasto bater em muro e estrutura cair sobre ela