Palmeiras ou árvores nativas? Polêmica sobre a arborização de Cuiabá volta à tona

Vereador quer mudar lei para Prefeitura ser impedida de plantar qualquer espécie que não seja nativa de Mato Grosso

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

Cerca de 15 palmeiras, parte delas ainda em vasos e já mortas, reacenderam em Cuiabá uma polêmica de quase cinco anos: o plantio dessa espécie de árvore em um clima que não favorece seu desenvolvimento.

O caso foi tema de debate na sessão desta quinta-feira (29) na Câmara de Cuiabá e motivou o vereador Sargento Vidal (Pros) a elaborar um projeto de lei que proíba a prática. A intenção dele é apresentar a proposta na próxima semana.

Segundo o parlamentar, o que precisa ser alterado é o artigo 139 da Lei Complementar 389, de novembro de 2015. O trecho, atualmente, permite a plantação de palmeiras em vias públicas da Capital no lugar de árvores nativas.

As cerca de 15 palmeiras que levaram o assunto à sessão da Câmara, segundo o Sargento Vidal, estão no entorno do viaduto Juca do Guaraná, localizado na Avenida das Torres e inaugurado em outubro do ano passado.

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

“Se for lá, dá para ver que agora tem 12 palmeiras mortas plantadas em vasos. Da inauguração até aqui, elas já morreram. E no mesmo local, há uma fila de 14 palmeiras plantadas, mas apenas três estão capengando, pois as demais já morreram”, disse o vereador.

Polêmica antiga

A última vez que esse debate veio à tona foi em 2017, quando a Prefeitura de Cuiabá anunciou o plantio de mais de 400 mudas de palmeiras imperiais nos canteiros das avenidas onde deveria passar o VLT.

O custo das árvores – o Sargento Vidal fala em até 10 vezes o de uma muda nativa da região – nem foi o problema. Elas seriam doadas, conforme a Prefeitura, na época. Mas um decreto de 2012 previa que, pelo menos, 70% das espécies plantadas em vias públicas fossem nativas da região.

Naquela época, o plano da Prefeitura de Cuiabá era plantar também ipês nas laterais das avenidas, mas eles representariam somente 45% do total de árvores previstas.

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

O Ministério Público de Mato Grosso, então, pediu explicações ao Município, que acabou voltando atrás na decisão. Dias depois, o então secretário de Serviços Urbanos, José Roberto Stopa – hoje vice-prefeito – disse que a Prefeitura estudava trocar as palmeiras por bocaiuvas.

Nem uma, nem outra foram plantadas. O impasse sobre a conclusão ou não das obras do VLT se sobressaiu à polêmica das espécies de árvores.

O problema? VLT!

As obras de implantação do VLT, aliás, foram o início da polêmica e isso foi lembrado na sessão da Câmara da última terça-feira. Convidada para falar em nome do coletivo “Não reclame do calor, plante uma flor”, a psicóloga Giselda Capilé resgatou o fato de que milhares de árvores – algumas delas centenárias – foram arrancadas para a passagem dos trilhos.

Só da avenida Fernando Corrêa, foram cerca de 2 mil árvores cortadas. “As árvores se foram e o trabalho não foi feito, o VLT não chegou até nós”, ela constatou.

LEIA TAMBÉM

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

O que diz a Prefeitura?

Em nota encaminha à reportagem do LIVRE, a Prefeitura de Cuiabá afirmou que enviará uma equipe para verificar a situação do jardim do viaduto Juca do Guaraná “Pai”.

Sobre o plantio de palmeiras, informou que não há nenhum projeto que contemple exclusivamente essa espécie e que outras, nativas da região, como ipês e oitis também têm sido utilizadas.

Confira a íntegra da nota:

“Em relação ao trabalho de paisagismo, a Empresa Cuiabana de Zeladoria e Serviços Urbanos (Limpurb) informa que:

– A atividade realizada nos espaços públicos engloba o plantio de diferentes espécies de árvores, entre elas as Palmeiras também estão incluídas.

– Portanto, não existe, por parte do Município, qualquer projeto que contemple o plantio exclusivo de Palmeiras.

– Esse fato é possível observar em diversos pontos da cidade (parques, praças, canteiros, calçadas e rotatórias), nos quais o trabalho resultou no plantio de Ipês, Oitis e outras espécies nativas e exóticas.

– Destaca que as Palmeiras sempre estiveram presentes na vida de Cuiabá, seja nas praças públicas ou canteiros das principais vias, como é possível observar nos registros históricos.

– Sobre a situação do Viaduto Juca do Guaraná “Pai”, a Limpurb enviará uma equipe até o local para verificar a situação e adotar as medidas necessárias.

– Vale destacar que o órgão público conta com uma equipe de jardinagem que atua diariamente em todos os espaços públicos da Capital, com os serviços de plantio e manutenção”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno de MT prevê pagar RGA aos servidores em maio deste ano
Próximo artigoJustiça suspende tributação da energia solar em MT