MPE cobra que ex-secretário e empresários devolvam R$ 28,6 milhões aos cofres públicos

Ministério Público investigou irregularidades na execução da trincheira do Santa Rosa e cobra ressarcimento

Flávio André/Casa de Guimarães/Secopa-MT

O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) pediu que a Justiça condene o ex-secretário extraordinário da Copa do Mundo (Secopa), Maurício Souza Guimarães, e outros sete denunciados a devolverem R$ 28,6 milhões para os cofres de Mato Grosso.

Segundo o promotor de Justiça Clóvis de Almeida Junior, que assinou a ação civil pública nessa segunda-feira (21), foram identificados um contrato sem licitação, quebra de compromissos e má execução de uma obra pública.

Trata-se da trincheira “Santa Rosa”, em Cuiabá. Ao todo, o prejuízo aos cofres públicos foi calculado em R$ 4,7 milhões.

Anomalias

Em 2014 o Ministério Público passou a investigar a contratação da empresa Camargo Campos S.A Engenharia e Comércio para executar a obra. Isso porque o acordo feito pela Secopa envolvia dispensa de licitação.

Nessas investigações o MPE teve acesso a relatórios da Controladoria Geral do Estado que apontaram que o problema teria antes, em 2012.

Em 2011, o Estado havia contratado, por licitação, a empresa STER Engenharia Ltda para executar essa mesma obra. Mas, em 2012, a construtora pediu a rescisão amigável do contrato e o pedido foi atendido pelo secretário Maurício Guimarães.

O secretário autorizou não apenas a quebra contratual, mas também o pagamento do que já teria sido executado, desconsiderando o fato de que a empresa foi notificada pela Secopa 26 vezes, por diversas irregularidades.

Trincheira Santa Rosa (Foto:Pedro Singer/O Livre)

Depois, com a aproximação da Copa do Mundo, Maurício Guimarães firmou o contrato investigado com a Camargo Campos S.A.

Então, uma fiscalização em 2014 apontava diversas “anomalias” nos trabalhos da nova empresa. Os fiscais destacaram que a construtora não estava cumprindo as especificações técnicas dos projetos e estaria usando materiais de qualidade inferior.

Essas irregularidades resultaram em um Termo de Ajustamento de Gestão, assinado em 2015 e que, meses depois, viria a ser descumprido. Em 2016, a construtora abandonou a obra.

A trincheira apenas foi finalizada em 2018, pela empresa Concremax, contratada pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), por R$ 5 milhões.

Prejuízo

De acordo com o promotor, devido ás irregularidades apontadas, o Estado teve um prejuízo de R$ 4.778.481,30. Desse valor, cerca de R$ 4,3 milhões teriam sido causados pela Camargo Campos S.A. Outra parte seria responsabilidade da STER.

O promotor ainda destacou que o fato de Maurício Guimarães ter autorizado a quebra contratual da primeira empresa “no mínimo, se afasta da boa gestão, haja vista que, como autoridade máxima da Pasta deveria ter resguardado o erário”.

O MPE também considerou que a empresa Exímia Construções, contratada como supervisora da obra na época da STER, também deve responder judicialmente pelo dano causado. Assim, também a denunciou.

Ressarcimento

No final, o MPE pediu que todos façam ressarcimento os cofres públicos da seguinte forma:

Maurício Guimarães: R$ 4.778.481,30; Francisco Rodrigues Neto (proprietário da construtora Camargo Campos): R$ 4.331.200,33; Emilton José Milharcix e Leo Maniero Filho (proprietários da STER Engenharia): R$ 447.280,97; e Nívio Brazil Cuoghe Melhorança (dono da Exímia Construções): R$ 4.778.481,30.

Os valores devem ser pagos em dobro, porque todos foram denunciados por dois crimes de improbidade administrativa. Ao todo, os valores alcançam a cifra de R$ 28.670.887,80, além do pedido de pagamento de multa.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNo mundo da Lua: deputados de MT já gastaram R$ 20 milhões com viagens neste ano
Próximo artigoMais de 40 mil presos vão fazer prova do Enem este ano

O LIVRE ADS