Juiz assume relatoria de ação por conduta vedada contra Taques e inclui Rui Prado

A ação foi movida pelo PDT e estava sob relatoria da juíza casada com empresário citado em delação

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) encaminhou uma ação de suposta conduta vedada que teria sido cometida pelo governador Pedro Taques (PSDB), com a realização da Caravana da Transformação, para o juiz-membro do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) Ricardo Gomes de Almeida. Ao receber a relatoria, na sexta-feira (2), o magistrado incluiu na ação o então candidato a vice-governador Rui Prado (PSDB).

“Corrija-se a autuação para que possa constar os novos representados Rui Carlos Ottoni Prado e Coligação Majoritária “SEGUE EM FRENTE MATO GROSSO” (PSDB, PSB, PERTB, PSL, PPS, DC, AVANTE, PATRIOTAS, PRP e SOLIDARIEDADE)”, conforme consta no despacho do juiz Ricardo.

A ação foi movida pelo PDT durante o período de campanha, mas a Justiça Eleitoral, à época, negou o pedido de suspender o programa. O juiz Paulo César Alves Sodré entendeu que, sem entrar no mérito se as alegações do partido eram válidas ou não, era preciso avaliar os efeitos de se suspender o evento faltando apenas um dia para o término das atividades.

“Digo isso pensando não só nas partes do processo (Representante e Representado), mas sim nas consequências práticas a serem suportadas pela população destinatária dos serviços ofertados, com a interrupção abrupta dos serviços ofertados. Isso porque, é de conhecimento de todos que as pessoas que participam desse tipo de evento deslocam-se de diversos pontos do Estado para usufruir dos serviços ofertados nesses mutirões”.

Na ação, o partido, que elegeu Otaviano Pivetta como vice-governador de Mauro Mendes (DEM), alegou que os aparatos do Estado, com a realização da Caravana da Transformação, estavam sendo usados para distribuição gratuita de bens e benefícios em pleno exercício eleitoral.

A sigla destaca que o programa foi criado em 2016 em caráter emergencial e estratégico. “Fica claro, após realizadas as primeiras edições, que o real propósito do programa sempre foi angariar vantagem para o pleito que se avizinha”, argumenta o PDT.

Também foi questionado o auxílio de praticamente todas as secretarias e autarquias do Estado na realização das edições do programa. “Cedendo servidores, estrutura, orçamento, enfim, tudo a bel prazer da ilícita política assistencialista do atual governante mato-grossense”.

Mudança na relatoria

O processo estava sob relatoria da juíza Vanessa Curti Perenha Gasques. A magistrada, contudo, solicitou, em 23 de outubro, afastamento da relatoria de representações contra o governador, bem como de julgamentos em que envolvam o chefe do Executivo.

A desistência se deu pelo fato de o marido da juíza, o empresário Erivelton Gasques, ter sido citado na delação premiada do empresário Alan Malouf, sobre esquema que teria alimentado caixa 2 da campanha de Taques em 2014.

A magistrada alegou que, apesar de se sentir capaz e imparcial para julgar as ações eleitorais de Taques, prefere resguardar o TRE de Mato Grosso “de maiores desgastes”. “Faço a opção, doravante, de não mais relatar e participar de julgamentos que envolvam o Sr. José Pedro Gonçalves Taques”, declarou a juíza.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMercado reduz de 4,43% para 4,40% estimativa de inflação para este ano
Próximo artigoEnem tem menor percentual de faltantes desde 2009