Ex-secretários de Silval teriam causado prejuízo de R$ 27 milhões a municípios

Os gestores permitiam que devedores de ICMS pagassem "dívida" do Estado com construtoras que tocavam obras

Ex-secretário de Fazenda, Marcel de Cursi (Foto:Ednilson Aguiar/O Livre)

Dois secretários de Estado da gestão Silval Barbosa podem ter causado prejuízo de R$ 27 milhões para municípios de Mato Grosso, ao autorizarem uma triangulação irregular. A informação é do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Pelas irregularidades, Cinésio Nunes de Oliveira e Marcel de Cursi foram multados em R$ 31,7 mil e R$ 32,5 mil, o equivalente a 400 UPFs e 410 UPFs, respectivamente. O caso foi identificado em uma representação interna.

O TCE analisou 44 termos de compromisso assinados pela Secretaria de Transporte e Pavimentação Urbana (SPTU – atual Sinfra) em 2012. Neles foram identificadas diversas irregularidades.

Consta que os então secretários teriam autorizado uma triangulação entre construtoras e empresas devedoras de ICMS para pagamento de despesas públicas. A autorização estaria pautada no Decreto Estadual nº 1.095/2012.

Segundo o TCE, empresas como a Petrobras Distribuidora S/A pagavam, em dinheiro ou serviços, dívidas do estado com construtoras responsáveis por obras de infraestrutura.

Ao todo, o valor da dívida seria de R$ 109 milhões. Contudo, municípios mato-grossenses teriam tido prejuízo estimado de R$ 27 milhões. Isso porque eles têm direito a 25% do ICMS arrecadado.

O valor real do prejuízo vai ser apurado em uma Tomada de Contas Especial conduzida pela Sinfra.

Cópias do processo foram enviadas ao Ministério Público Federal e ao Ministério Público Estadual, para possíveis investigações. O governador Mauro Mendes e os atuais secretários de Infraestrutura e Fazenda também foram notificados.

Conselheiro relator Luiz Henrique Lima (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Determinações

Relator do processo, o conselheiro Luiz Henrique Lima deu 120 dias para que os atuais secretários da Sinfra e da Sefaz, e o controlador-geral do Estado analisem todos os contratos envolvidos em concessão de créditos outorgados de ICMS, realizados por termo de compromisso.

O conselheiro orientou que a CGE represente ao TCE caso encontre danos ou prejuízos que não foram reparados.

Já os secretários da Sinfra e Sefaz receberam diversas outras determinações, como informar ao TCE sobre processos de transferência de créditos fiscais.

O conselheiro também determinou que os gestores garantam a transferência dos recursos destinados aos municípios e se abstenham de fazer novas triangulações envolvendo o Estado e empresas devedoras de ICMS.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDe volta ao Fórum
Próximo artigoEstágio em engenharia: construtora abre vagas em Cuiabá

O LIVRE ADS