Emanuel mantém comércio fechado, mas anuncia plano de retomada da economia

Segundo o prefeito, as regras continuam válidas até o dia 5 de abril, quando novas medidas serão anunciadas

(Foto: Luiz Alves/Secom-Cuiabá)

Vestindo uma camiseta com os dizerem “não é exagero, é fato. Previna-se!”, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), anunciou nesta sexta-feira (27) que vai manter as regras de fechamento do comércio como medida de prevenção à disseminação da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

A restrição à atividade, de acordo com decreto municipal, se estenderá até o dia 5 abril. Enquanto isso, segundo Emanuel Pinheiro, um “plano estratégico” para a retomada da atividade econômica da Capital está em elaboração.

As afirmações foram feitas em uma entrevista coletiva transmitida ao vivo em suas redes sociais. Na oportunidade, o prefeito disse ter sido pego de surpresa pelo decreto do governador Mauro Mendes (DEM) que, nesta semana, flexibilizou algumas das recomendações de isolamento social.

Mauro Mendes já havia dito anteriormente que, em sua avaliação, os prefeitos haviam se precipitado ao determinar o fechamento do comércio e, na quinta-feira (26), também em entrevista coletiva, afirmou estar pensando nas pessoas que não têm a “dispensa cheia” ou “dinheiro na conta”.

Ao reiterar acreditar que suas medidas são necessárias, Emanuel Pinheiro citou um fato recente na Itália – até agora, o país com o maior índice de mortalidade pela nova doença –: o pedido de desculpas do prefeito de Milão, Giuseppe Sala.

Há cerca de um mês, ele foi um dos apoiadores da campanha “Milão não para”, que tinha como objetivo manter a atividade econômica da cidade, apesar da proliferação do novo coronavírus pelo país.

Plano estratégico

Emanuel Pinheiro sustentou que tem o apoio do setor do comércio para as medidas adotadas na Capital. Prova disso, segundo ele, é que, apesar da flexibilização autorizada pelo governo do Estado, as lojas – em especial os quatro shoppings centers de Cuiabá – não abriram as portas nessa sexta-feira.

Sobre o plano estratégico de retomada das atividades econômicas, Emanuel Pinheiro não sinalizou se já vai ser colocado em prática a partir do dia 5. Na verdade, as afirmações do prefeito deram a entender que pode haver uma prorrogação das restrições de contato social.

Segundo ele, tudo vai depender da análise dos resultados desses primeiros cerca de 15 dias de paralisação.

No centro de Cuiabá, ruas ainda amanheceram vazias nesta sexta-feira (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

“Estamos vendo o que precisa ser ajustado. Se vai ser necessário incluir outras atividades [da economia] ou não”, pontuou, ressaltando que sua prioridade é o “direito à vida”.

“A maioria das decisões foi de cortar o coração. Difíceis de tomar”, disse, completando ter “exata noção da responsabilidade que pesa sobre estes ombros”.

Guerra de decretos

Sobre a confusão jurídica que os dois decretos podem vir a causar, Emanuel Pinheiro disse que o Poder Judiciário é quem vai resolver.

Lembrou também que os próprios Ministério Públicos Estadual, Federal e do Trabalho – embasados em um parecer produzido pela Fiocruz – assinaram um documento recomendando ao governador que revogasse seu decreto.

E quando foi perguntado – ao menos três vezes – se ia multar os estabelecimentos comerciais que quebrarem a quarentena, Emanuel Pinheiro disse apenas que vai manter a fiscalização, mas sem “abuso de autoridade”. Segundo ele, o trabalho será de “conscientização”.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGlobo de Ouro muda regras de elegibilidade por conta do coronavírus
Próximo artigoGoverno precisa suspender recolhimento de impostos imediatamente, alerta Maia

O LIVRE ADS