Governo diz que manterá medidas restritivas, mas não impedirá o comércio

Mauro Mendes indicou que as medidas de isolamento que afetam a atividade econômica poderão ser revistas

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O governador Mauro Mendes disse nesta quarta-feira (25) que manterá as medidas protetivas contra a disseminação do novo coronavírus que vêm sendo tomadas desde a semana passada via decretos. 

Ele, no entanto, indicou que poderá revisar parte delas, que podem ter afetado a atividade econômica no Estado.

“Vamos continuar a restringir o convívio social e a preparar toda a estrutura necessária para atender aos possíveis doentes do coronavírus. Mas não iremos proibir nenhuma atividade econômica essencial, desde que haja a devida obediência às regras sanitárias” disse. 

A declaração foi uma resposta do governo do Estado ao pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, na noite dessa terça-feira (24), que tem gerado polêmica.  

Bolsonaro voltou a chamar o contágio pelo coronavírus de “gripezinha” e disse que gestores pelo país estão entrando na “onda de histeria” sobre a doença, com a decretação de fechamento do comércio. 

Regime de isolamento

Mato Grosso vive regime oficial de isolamento desde segunda-feira (23), quando começaram a valer regras de suspensão das aulas, fechamento de estabelecimentos fora da classificação do comércio de bens essenciais e espaços e órgãos públicos. 

No bojo da situação, foi adotado modelo de teletrabalho tanto pelo Poder Executivo quanto por órgãos de outras esferas do poder público, como o Tribunal de Justiça e a Assembleia Legislativa. 

LEIA TAMBÉM

Na terça-feira (24), o governador disse que a previsão da equipe econômica é que a arrecadação do Estado caia de 20% a 30% a partir de abril, até que a situação gerada pela crise do coronavírus se normalize.  

Mendes admitiu ainda que a mudança brusca da receita poderá afetar o pagamento das contas públicas, incluindo os salários dos servidores. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. É mas não podemos deixar de considerar que os custos fixos dos prédios públicos também iram cair, já que estão vazios. Luz, agua, café, utensílios de higiene, produtos de limpeza e prestação de Serviços de terceirizados.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDemanda por advogado trabalhista cresceu até 50% em Cuiabá
Próximo artigoBatwoman chega ao Brasil em abril