Delação de Alan Malouf: marqueteiros de Taques teriam recebido R$ 2 milhões de Caixa 2

Segundo Malouf, maiores credores eram Antero Paes de Barros, com R$ 700 mil, FCS com R$ 600 mil, Casa D'ideias R$ 500 mil e Vetor Pesquisas R$ 200 mil

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Marqueteiros e agências de publicidade que trabalharam na campanha de 2014 do governador Pedro Taques (PSDB) teriam recebido cerca de R$ 2 milhões de Caixa 2.

Conforme delação do empresário Alan Ayoub Malouf, obtida em primeira mão pelo LIVRE, ao término da campanha dívidas milionárias teriam sido pagas “por fora”, por um grupo de empresários “simpatizantes”, que contribuíram para a campanha do governador tucano.

O grupo de amigos seria formado por Marcelo Maluf, Juliano Bortoloto (Todimo), Fernando Minosso, Erivelton Gasques (City Lar) e Júlio Modesto. Os maiores credores eram Antero Paes de Barros, R$ 700 mil, FCS R$ 600 mil, Casa D’ideias R$ 500 mil e Vetor Pesquisas R$ 200 mil.

[related_news ids=”108510,108572,108586″][/related_news]

Antero Paes de Barros

Segundo Malouf, o marqueteiro Antero Paes de Barros tinha aproximadamente R$ 700 mil a receber por serviços prestados e que o valor teria sido quitado com dinheiro de Caixa 2, pelo grupo de amigos, e que o governador Pedro Taques teria determinado o pagamento dessa forma. Antero nega a informação.

“A decisão de efetuar o pagamento dessa conta ‘por fora’ foi compartilhada e autorizada por Pedro Taques. Isso porque o grupo de empresários comentou com o mesmo sobre essa situação e o mesmo afirmou que poderiam confiar no mesmo”, relatou.

Para isso, Malouf conta que foi realizada uma reunião com Antero em que ele participou, na sede da construtora São Benedito, juntamente com Marcelo Maluf, Erivelton Gasques e Juliano Bortoloto.

Malouf, em comum acordo com os demais, teria efetuado um contrato de empréstimo/mútuo (ainda não quitado) com Cláudio Ferreira da Silva – e o pagamento para Antero se deu com emissão de cheques de Cláudio.

Ainda segundo Malouf, o secretário de Gestão Júlio Modesto presenciou todo o acordo. “Foi Júlio quem indicou o amigo para emprestar o dinheiro. Ao buscar a quebra de sigilo bancário do emitente dos cheques, o caminho do dinheiro comprovará o alegado”, afirmou Malouf.

Conforme o delator, Antero determinou a retirada dos cheques pelo seu filho Ranulfo Paes de Barros, sócio da empresa TR Produções e pelo gerente da empresa junto a Malouf. “Os serviços foram efetivamente prestados pelo Sr. Antero, mas o acerto final dos seus honorários foi pago por fora, ou seja, através de Caixa 2”.

Outro lado

O ex-senador Antero Paes de Barros afirmou ao LIVRE que não recebeu pagamento da campanha  de Pedro Taques sem emissão de nota fiscal e que todos os pagamentos foram feitos diretamente em sua conta corrente. Ele disse, inclusive, que sequer conhece Claudio Ferreira da Silva.

“É uma espalhafatosa mentira. Todos os pagamentos da campanha recebi em conta corrente. Levou quatro anos para receber os R$ 700 mil do PDT. Mas sempre recebi na conta normal da empresa, nunca recebi cheque”, afirmou, dizendo que todos os pagamentos foram feitos corretamente.

FCS

A Agência/Produtora FCS também teria recebido aproximadamente R$ 600 mil de dinheiro de Caixa 2. A decisão também, segundo Malouf, teria partido do governador Pedro Taques. “Os cheques foram retirados com o peticionante (Alan) pelo Sr. Gustavo (dono da agência) e seu sócio chamado Muriaci”, disse o delator.

Malouf recordou também de outro pagamento “dissimulado” pelo empresário Erivelto Gasques, um dos sócios da City Lar, à agência FCA. Segundo ele, no período eleitoral de 2014 a empresa FCS teria emitido uma nota de serviço dirigida ao Grupo Econômico controlado por Erivelton. “Esse valor foi pago por Erivelto, tendo a emissão da nota sido utilizada para dar aparência de legalidade à operação financeira”, afirmou.

Conforme Malouf, a FCS prestou efetivamente os serviços, “mas o acerto final dos honorários foi pago por fora, ou seja, através de Caixa 2”.

Outro lado

A reportagem ligou por diversas vezes para Gustavo, porém, até o fechamento desta matéria, não obteve retorno. O espaço está aberto para manifestações

Vetor

A Vetor pesquisas também teria cerca de R$ 200 mil a receber do governador eleito Pedro Taques. Os recursos teriam sido pagos por fora pelo mesmo grupo de amigos. Miriam Braga e seu esposo “Eduardo” teriam comparecido no escritório da São Benedito na mesma data em que Gustavo da FCS e Antero teriam ido conversar com Alan Malouf.

Outro lado

Procurada pela reportagem, Miriam Braga disse desconhecer qualquer pagamento ilegal. Ela afirma que já esteve no escritório da São Benedito, mas para tratar de assuntos referentes à própria construtora, que, segundo ela, era cliente da Vetor. “Fizemos pesquisa de fluxo de empreendimento, de mercado, a maioria das construtoras já trabalhou conosco”, disse.

Casa D’ideias

A Casa D’ideias foi a agencia contratada para gravar áudios e vídeos de candidatos da chapa proporcional do governador Pedro Taques em 2014. Segundo Malouf, Erivelton tinha bom relacionando com o proprietário da agencia, Crispim Brasil, pois prestava serviços para a City Lar.

Conforme o delator, o valor pago por fora pelos serviços prestados pela agência foi de aproximadamente meio milhão de reais. “O valor foi pago por fora, através de doação feita por Erivelto, conforme consta em planilha já apresentada, no valor de R$ 500 mil, aproximadamente”, disse.

Outro lado

O empresário Crispim Brasil disse ao LIVRE que as afirmações de Malouf são infundadas. Segundo ele, à época, a Casa D´ideias era a agência contratada pelo City Lar e recebia por serviços prestados ao grupo.

“Não recebi e não temos nada a ver com isso. Nunca participei de campanha. Não sei porque ele me citou”, disse.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem finge ser oficial da aeronáutica, exige que PM bata continência e acaba preso por desacato
Próximo artigoAmaggi investirá na produção de biodiesel em Mato Grosso