CPI dos Medicamentos estima prejuízo de até 30 milhões em Cuiabá

Valor é composto por auditoria realizada antes a Norge Pharma assumir o Centro de Distribuição, contrato de gestão e medicamentos vencidos

(Foto: Reprodução/Assessoria Câmara de Cuiabá)

A CPI dos Medicamentos, instalada na Câmara de Cuiabá, estima que o contrato de prestação de serviços entre a empresa Norge Pharma e o Centro de Distribuição de Medicamentos e Insumos pode ter causado um prejuízo de até R$ 30 milhões para os cofres públicos da Capital. 

O valor é composto por vários serviços, que estariam documentados na comissão parlamentar. Conforme o vereador Marco Paccola (Cidadania), membro titular na investigação, o maior é referente à perda de produtos vencidos no Centro de Distribuição, estimada entre R$ 15 milhões e R$ 20 milhões. 

“Esse valor é inicial e está baseado na auditoria da Secretaria de Saúde do Município. Estimamos o valor com base no relatório de unidades de medicamentos e insumos vencidos e nos preços de mercado divulgados pelo Ministério da Saúde, o Radar, do Tribunal de Contas do Estado e no Cedmex (Centro Especializado de Dispensação de Medicamentos Excepcionais)”, afirmou.  

Auditoria antes do contrato

O vereador afirma que a CPI está considerando também outros três fatores na composição do valor do prejuízo. O primeiro deles foi a auditoria de cerca de R$ 141 mil que a Secretaria de Saúde teria pago. Neste trabalho seriam analisadas a quantidade de medicamentos vencidos no Centro de Distribuição. 

O serviço teria sido realizado antes da contratação da Norge Pharma, no início de 2020, para administrar o local. Na época, a empresa tinha contrato de fornecedora com o município. Paccola diz que foi identificado na auditoria perda de R$ 200 mil em medicamentos. 

LEIA TAMBÉM

Outro componente é um contrato assinado pela empresa em fevereiro do ano passado, para administrar a compra e a gestão de medicamentos e insumos da Secretaria de Saúde, fechado em R$ 19 milhões e depois revisado pela prefeitura em R$ 9,7 milhões. 

“Nós vemos indícios de que o contrato com a Norge foi forçado, desmedido e desnecessário. Agora, o que vamos fazer é enviar esses documentos para o Ministério Público [do Estado (MPE)], porque a CPI não pode indiciar ninguém criminalmente”, afirmou Paccola.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMourão vai ao Peru acompanhar posse de novo presidente
Próximo artigoConsórcio VLT Cuiabá é condenado a pagar R$ 96 milhões de multa