Blairo Maggi quer que ação da Ararath seja julgada pela Justiça Eleitoral

Ex-senador e ministro é apontado como líder de um esquema que teria desviado recursos do estado para enriquecimento e pagamento de dívidas de campanha

A defesa do ex-senador e ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), protocolou, na terça-feira (19), um pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que os processos da Operação Ararath, que investigou desvio de dinheiro dos cofres de Mato Grosso, sejam enviados para o Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

A medida vem uma semana depois que o STF decidiu, por maioria, que a Justiça Eleitoral tem competência para julgar crimes comuns, como os de corrupção e lavagem de dinheiro, quando relacionados à campanhas eleitorais.

No pedido, a defesa de Maggi cita que o fato investigado em uma das ações da Ararath, que foi deflagrada em 2010 e já está em sua 15ª fase, é uma suposta dívida de campanha de Maggi, que teria sido deixada ao seu sucessor, o ex-governador Silval Barbosa, em 2010. A informação veio à tona com a delação premiada de Silval, homologada no STF pelo ministro Luiz Fux.

“Diante desse quadro fatídico narrado em sintonia pelo colaborador e pelo Órgão Acusatório inegável reconhecer que os fatos investigados enquadram-se perfeitamente na premissa fixada pelo Supremo Tribunal Federal de que, havendo conexão entre crimes eleitorais e crimes comuns, a Justiça eleitoral é competente (inclusive para avaliar a conexão), exercendo vis atractiva em relação aos crimes comuns”, diz trecho do documento.

A defesa pediu que o STF remeta os autos à Justiça eleitoral de Mato Grosso. O pedido está sob relatoria do ministro Luiz Fux e foi encaminhado para manifestação da Procuradoria-Geral da República, nesta quarta-feira (20).

O líder

Blairo Maggi foi citado pelo ex-governador Silval Barbosa e seu chefe de gabinete, Silvio Cesar Corrêa, como sendo um líder de um esquema criminoso que fazia pagamentos irregulares para empresas, com o intuito de arrecadar recursos para a campanha eleitoral.

A Procuradoria-Geral da República (PRG), quando se manifestou sobre o caso, também apontou Maggi como quem “exercia a função de liderança mais proeminente”.

Em seu parecer, a PRG observou também que o esquema criminoso envolvia agentes políticos, servidores públicos e empresários, com divisão de tarefas e organização. Ainda, pontuou que “o consórcio espúrio entre políticos e empresários tinha como objetivo obter recursos de forma ilícita para o enriquecimento ilícito de seus integrantes, para a manutenção da governabilidade e para o pagamento de dívidas de campanha”.

Leia também:

Márcio Vidal: Justiça Eleitoral não tem estrutura para julgar crimes de alta complexidade

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA Londres de Theodore Dalrymple
Próximo artigoMotoristas de app terão pontos de embarque e vaga em junta administrativa, diz prefeitura

O LIVRE ADS