ALMT derruba veto à distribuição de absorventes em escolas públicas e unidades de saúde

Para o veto, o Governo alegou falta de orçamento para a instituição do programa

(Foto: JL Siqueira/ALMT)

Os deputados estaduais derrubaram, nesta quarta-feira (24), o veto que do Governo de Mato Grosso ao projeto de lei que previa a distribuição gratuita de absorventes em escolas públicas e postos de saúde em todo o Estado.

Durante discussão em plenário, a deputada Janaina Riva (MDB), coautora do projeto, comentou que essa proposta era a “menina dos olhos” de Sílvio Favero (PSL), o autor do texto. O parlamentar morreu em março deste ano.

“Já distribuímos camisinhas gratuita, por que não fazer a distribuição do absorvente? A mulher não escolhe menstruar. Estamos falando de meninas nas escolas públicas estaduais. É um público tão restrito que as professoras e diretoras têm comprado os absorventes e fazem as caixinhas para ceder”, frisou a parlamentar.

O deputado Dr. João (MDB), por sua vez, falou sobre a necessidade de um devido cuidado durante a menstruação para evitar problemas futuros de saúde.

O médico nefrologista defendeu a derrubada do veto e explicou que esse projeto aborda uma questão de higiene pessoal. O parlamentar explicou que a menstruação coagulada pode entrar no canal da uretra e acarretar em infecções urinárias de repetição.

LEIA TAMBÉM

“Um dia, lá na vida futura, de tantas infecções urinárias, pode sofrer a perda do rim. Não queremos que nenhuma menina, quando tiver 30, 40 anos, esteja em uma máquina de hemodiálise. Estamos fazendo a medicina preventiva”, argumentou.

Wilson Santos (PSDB) foi enfático em criticar o veto do governo estadual e disse não entender o posicionamento da gestão, o qual ele definiu como insensível.

“Qual é o problema? Falta de verba não é. Capilaridade para distribuir também não é porque temos 728 escolas na rede pública, além de que podemos usar as escolas da rede municipal”, pontuou.

Com 14 votos sim e 7 não, o veto foi derrubado.

Previsão orçamentária

Ao vetar o projeto, o Governo de Mato Grosso pontuou que a proposta não apresentava um estudo de previsão do impacto orçamentário que a aplicação da medida traria aos cofres públicos.

Sobre a derrubada do veto, o governo informou que ainda aguarda o parecer da Procuradoria Geral do Estado sobre o tema.

(Atualizada às 14h28)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorConseguiu um emprego temporário? Advogado trabalhista explica seus direitos
Próximo artigoKeanu Reeves diz que gostaria de interpretar John Constantine novamente