TJ mantém desconto de 14% na folha de pagamento de militares em MT

Policiais e bombeiros alegam inconstitucionalidade em leis aprovadas pela Assembleia Legislativa e sancionadas pelo governador Mauro Mendes

O segundo tenente Marcelo - comandante da banda da PMMT (Foto: Arquivo pessoal)

O Tribunal de Justiça rejeitou pedido da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar para suspender a alíquota previdenciária que desconta 14% do salário a título de contribuição social dos policiais e bombeiros ativos e aposentados.

O teor da decisão foi publicado na terça-feira (28) no Diário da Justiça.

A categoria alega que o Estado patrocina redução salarial com o novo percentual de alíquota, o que viola a Constituição Federal. Por isso, a alíquota ser incidida sobre o excedente do teto do Regime Geral da Previdência Social, e não ao salário mínimo como aplicado atualmente. Ao final, requereu acolhimento dos embargos de declaração, para sanar a omissão apontada.

A defesa ingressou com embargos de declaração alegando que houve contradição na decisão dada por unanimidade pela Primeira Câmara de Direito Público e Coletivo, que negou a suspensão da cobrança.

Por outro lado, o Mato Grosso Previdência (MT Prev) concordou somente com a retificação do erro material identificado, especificamente no que diz respeito à alíquota incidente sobre a antecipação do 13º salário.

Desconto previsto em lei

A relatora do recurso, a desembargadora Helena Maria Bezerra Ramos, apresentou voto para acolher pedido apenas com relação à omissão apontada na decisão devendo a alíquota ser incidida sobre o excedente do teto do Regime Geral da Previdência Social, e não ao salário mínimo.

Porém, manteve inalterada a decisão mantendo desconto da alíquota previdenciária em 14% dos cabos e soldados da Polícia Militar.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOperação Teseu: criminosos usavam empresa de fachada para lavar milhões do tráfico
Próximo artigoGás de cozinha tem novo aumento na região Centro-Oeste