Professores da UFMT definem na próxima terça-feira se entrarão em greve

Eles são solidários à mobilização estudantil contra o aumento do valor das refeições do RU

Professores da UFMT discutem na próxima terça-feira (15), a possibilidade de iniciar uma greve docente, de acordo com notícia publicada no site da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso. A assembleia será no auditório da Adufmat, a partir das 13h30.

Na terça-feira (8), reuniram-se e se manifestaram solidários às mobilizações estudantis contra o aumento do valor das refeições do Restaurante Universitário e votaram pelo indicativo de greve. Foram 99 votos favoráveis, 81 contrários e oito abstenções, considerando os votos dos campi de Cuiabá, Sinop, Araguaia e Várzea Grande.

Assim como os alunos, professores discordam da proposta da reitoria. De acordo com o site da Adufmat, as intervenções feitas durante a assembleia apontam que a categoria converge na avaliação de que as alterações na política de alimentação do Restaurante Universitário (RU) é um dos pontos de um problema maior que a instituição vem enfrentando.

“O que nós estamos discutindo aqui, na verdade, é se nós queremos que a universidade seja privatizada ou não”, alertou o presidente da Adufmat-Seção Sindical do ANDES, Reginaldo Araújo, chamando a atenção para a discussão política que envolve os cortes de recursos e as ações propostas pela administração da universidade.

Ainda na próxima semana, na segunda-feira (12), o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade (Consepe) debate, em reunião extraordinária, a suspensão do calendário acadêmico.

Já os estudantes, estudantes do campus da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá, deflagraram greve geral no fim desta terça-feira (08) por tempo indeterminado.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUnidades do Indea começam a ser reformadas e reequipadas
Próximo artigoZeca diz ter 13 partidos e Pivetta rejeita união com “multidiferentes”