Zeca diz ter 13 partidos e Pivetta rejeita união com “multidiferentes”

Declarações foram dadas após reunião entre 8 partidos que devem ser oposição ao governo nas eleições deste ano

O presidente regional do PDT em Mato Grosso, deputado estadual Zeca Viana, declarou que o grupo já conta com pelo menos 13 partidos, que dificilmente apoiariam a reeleição do governador Pedro Taques (PSDB) nas eleições desse ano. Pré-candidato do partido ao governo, Otaviano Pivetta ressalta, entretanto, que a coligação será baseada em ideias e não pessoas.

As declarações foram dadas em reunião realizada na tarde desta quinta-feira (10) entre o PDT e outros 7 partidos, sendo eles PTC, PMN, PRP, Avante, PSDC, PROS, Podemos, siglas que até então estavam mais próximas de outro pré-candidato ao governo, Dilceu Rossato (PSL).

“Uma base forte é importante, mas temos que respeitar a inteligência do eleitor. Não podemos unir os multidiferentes. Temos que firmar posições com partidos, em cima de projetos, de ideias e essa é nossa proposição”, declarou Pivetta.

Esta não é a primeira vez que o pré-candidato faz ponderações sobre a aliança da oposição ao governo, já tendo deixado clara a possibilidade de ser lançada mais de uma candidatura.

O discurso, embora não tenha sido confirmada a coligação, está alinhado com o do presidente regional do DEM, deputado federal Fábio Garcia. O democratas, por sua vez, ainda trabalha por candidatura própria ao executivo estadual, tendo como principal nome o do ex-prefeito, Mauro Mendes.

E ambas as declarações vão de encontro a vontade de mais um pré-candidato a governador, o senador Wellington Fagundes (PR). Recentemente, o republicano disse querer unificar a oposição e os dissidentes da situação em torno da sua possível candidatura.

Na oportunidade, Pivetta reforçou também a vontade e o dever de servir ao Estado. “Já prestei serviços no município de Lucas do Rio Verde durante anos e sei que é possível fazer o que é preciso. Temos condições financeiras, o que precisamos é de gestão e nos colamos à disposição da sociedade para fazer do Estado um Estado servidor, prestador de bons serviços, construtor de boas obras e que melhore a vida da população. Esse é o nosso objetivo”.

Zeca Viana disse saber que toda eleição é difícil, mas que estão trabalhando para “criar musculatura”. “O governo está com máquina na mão, mas é uma máquina desgastada, sem condição de rodar. É uma caneta sem tinta, que não consegue escrever. O governador conseguiu estrangular as contas do governo a um ponto em que tudo que fizer além do previsto estará cometendo improbidade”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProfessores da UFMT definem na próxima terça-feira se entrarão em greve
Próximo artigoApós aumento nos lucros, Marajá é um dos alvos de fundo do governo