Presidente do MDB nega que partido tenha abandonado Emanuel Pinheiro

Ex-deputado estadual José Lacerda diz que o grupo não tem condições de contrapor a investigação que afastou prefeito do cargo

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Presidente do MDB em Cuiabá, o ex-deputado José Lacerda negou nesta segunda-feira (25) que o partido tenha “abandonado” o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, à Operação Capistrium, que o afastou do cargo na semana passada. 

Filiados da sigla ainda não se manifestaram publicamente sobre o suposto envolvimento de Emanuel Pinheiro na contratação irregular de indicados políticos para a Secretaria de Saúde. 

O presidente da Câmara dos Vereadores, Juca do Guaraná, é o único representante partidário no município. Na Assembleia Legislativa, quatro deputados estaduais estão em mandato, porém nenhum se posicionou a favor de Emanuel, até o momento.  

No caso dos deputados, todos estão na base de apoio ao governador Mauro Mendes (DEM). 

Ao comentar a operação, Lacerda disse que o prefeito não pode ser tratado como um investigado condenado e ressaltou que a ação policial é um direito constitucional que apura “erros” na gestão de Emanuel. 

LEIA TAMBÉM

“Nós precisamos respeitar todos os princípios de natureza constitucional. Como é que nós [como partido] vamos contrapor a um processo de um levantamento investigatório? Isso é direito constitucional dos poderes constituídos. Agora, isso não significa que o prefeito Emanuel pode ser tratado como uma pessoa que esteja condenada”, afirmou. 

Em delação, o ex-secretário de Saúde, Huark Douglas Correia disse que a pasta chegou a ter cerca de mil servidores sem “função” nos primeiros meses de gestão de Pinheiro, e todos nomeados seriam indicações de aliados políticos, principalmente de vereadores. 

A Justiça estadual, com base investigação do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco), mandou sequestrar R$ 16 milhões das contas bancárias de Emanuel Pinheiro, da primeira-dama Márcia Pinheiro e outros investigados, servidores e ex-servidores públicos, por supostas irregularidades no pagamento do prêmio-saúde. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCom 74% das famílias endividadas suporte jurídico é alternativa, explica advogado
Próximo artigo“Bolsonaro não é populista, é popular”, diz Paulo Guedes