PMs que atiraram contra casal em Sorriso serão demitidos da Corporação

Os militares já foram denunciados pelo Ministério Público do Estado e continuam detidos no Presídio Militar

(Foto: Secom)

A Corregedoria da Polícia Militar de Mato Grosso iniciou o processo demissório de Ezio Sousa Dias e Weberth Batista Ribeiro. Os dois militares foram denunciados pela tentativa de homicídio praticada contra Osvaldo Pereira Gomes Neto e Elizangela Moraes, em Sorriso (305 km de Cuiabá).

A PM informou ainda que os dois soldados ainda estão custodiados. Nesta semana, a Justiça negou o pedido de habeas corpus à dupla.

A decisão foi proferida pela Terceira Câmara Criminal que justificou que não há constrangimento ilegal por excesso de prazo processual. O Ministério Público Estadual sinalizou o mesmo posicionamento.

“Não há evidências de inércia ou morosidade irrazoável e desproporcional do feito por culpa exclusiva do Poder Judiciário”, complementa a decisão.

O texto lembra ainda que os dois, ainda, militares já foram pronunciados e serão levados ao Tribunal do Júri pelo crime que cometeram. A decisão foi publicada no Diário de Justiça Eletrônico de sexta-feira (15).

Casal atingido

Em 17 de janeiro do ano passado, o casal Elizangela e  Osvaldo foi alvo de tiros efetuados por Ezio e Weberth.

Elizangela e Oswaldo nada fizeram, apenas estavam no caminho dos policiais (Foto: Arquivo pessoal)

Conforme a denúncia da Promotoria, as vítimas foram atingidas simplesmente por terem cruzado o caminho com os dois acusados. Elizangela precisou ficar internada por conta dos tiros.

O MPE denunciou os militares por tentativa de homicídio praticada por motivo fútil, mediante recurso que dificultou a defesa da vítima e com a utilização de meio cruel. A acusação, além da condenação de Ezio e Weberth, pediu pela perda dos cargos militares.

A dupla está detida no Presídio Militar em Santo Antônio de Leverger ( a 31 km de Cuiabá).

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrefeitura de Cuiabá baixa novo decreto e mantém toque de recolher
Próximo artigoCâmara Federal deve votar na terça PEC que altera composição do CNMP