Pela primeira vez, Jayme Campos sinaliza que pode ser candidato em 2018

Ednilson Aguiar/O Livre

Jaime Campos

O ex-senador Jayme Campos (DEM) sinalizou, pela primeira vez, que pode disputar as eleições de 2018. Atualmente secretário de Assuntos Estratégicos de Várzea Grande, Jayme disse que sua prioridade é ajudar a gestão da mulher, a prefeita Lucimar Campos (DEM). No entanto, admitiu que, no futuro, pode se candidatar, “se esse for o desejo dos aliados”.

“Meu compromisso é ajudar Lucimar a fazer um trabalho exitoso. É isso que eu quero. Não tenho vaidade nenhuma. Eu sou um homem despojado. E na medida em que o partido me convocar para servir à sociedade… No momento certo, se os companheiros e partidos aliados quiserem nossa participação, vamos estudar essa possibilidade”, admitiu.

Jayme não disse a qual cargo poderia concorrer, mas citou que está “navegando numa faixa razoável” nas pesquisas para governo e Senado, mesmo antes de admitir a possibilidade de se candidatar. “O velhão está pronto aqui, de chuteira nova”, afirmou. “Não é fraco, não. Tem café no bule, toicinho para queimar. Tem que estar preparado para qualquer evento.”

Aliado do governador Pedro Taques (PSDB), Jayme descartou ser vice dele. A especulação sobre essa possibilidade surgiu em função dos rumores de que o atual vice, Carlos Fávaro (PSD), possa disputar uma vaga de senador nas próximas eleições. “Ele está muito bem servido com um vice do calibre, do estofo do Fávaro. E vice tem que ser convidado. Não acho que ele vai me convidar. Não tem porquê”, disse.

Antes, Jayme vinha repetindo o discurso de que ainda era muito cedo para tratar dos nomes que disputarão as próximas eleições, usando o que já se tornou seu jargão: “Vamos aguardar o ano que vem para saber quem vai estar vivo, não vai estar preso nem de tornozeleira”.

O ex-senador destaca o fato de não ter sido alvo de nenhuma operação ou delação premiada até o momento. “Jayme Campos fora 100%. Sem envolvimento com nada”, disse.

E defendeu o irmão, o ex-deputado Julio Campos (DEM), delatado pelo ex-governador Silval Barbosa (PMDB). O delator afirmou que comprou o apoio dos candidatos do DEM na campanha eleitoral de 2010, dando R$ 4 milhões a Julio. “Pode ser que alguma pessoa do DEM tenha recebido. Mas Julio falou que a mão dele pode secar, que ele não pegou um real”, disse.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUnidade do Ganha Tempo da Semob faz 15 mil atendimentos no 1º semestre
Próximo artigoExtras à AGU ultrapassam orçamento de 96% das cidades

O LIVRE ADS