Operação Fake Paper: empresas emitiram mais de R$ 300 milhões em notas frias

Documentos eram usados por produtores rurais para sonegar impostos, fraudar licitações e até "esquentar" mercadorias furtadas ou roubadas

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz) deflagrou nesta quarta-feira (9), em conjunto com a Secretaria de Estado de Fazenda, a Operação Fake Paper.

São cumpridos 9 mandados de prisão preventiva e 16 de busca e apreensão por crimes contra a administração pública.

O alvo é uma organização criminosa que abria empresas de fachada para emissão de notas frias. Os documentos eram usados por produtores rurais para sonegar impostos, fraudar licitações e até “esquentar” mercadorias furtadas ou roubadas.

De acordo com o delegado Sylvio do Vale Ferreira Junior, a atuação da organização distorcia informações sobre a produção econômica de Mato Grosso a ponto de interferir no cálculo dos fundos de participação dos Municípios e dos Estados.

A Secretaria de Fazenda de Mato Grosso constatou que, juntas, as empresas Rio Rancho Produtos do Agronegócio Ltda.; Mato Grosso Comércio e Serviços e B. Da S. Guimarães Eireli emitiram mais de R$ 337,3 milhões em notas frias.

Titular da Defaz, o delegado Anderson da Cruz e Veiga explica que “a operação busca apreender documentos, dispositivos móveis e computadores que possam robustecer ainda mais a investigação”.

Os mandados estão sendo cumpridos em sete cidades de Mato Grosso: Cuiabá, Tangará da Serra, Campo Novo dos Parecis, Barra do Bugres, Canarana, Sorriso e Juína.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrograma do MEC abrirá 1,5 milhão de vagas em educação profissional
Próximo artigoBabá é acusada de queimar com cigarro e estuprar criança de três anos