MPE denuncia ex-procurador e ex-secretários por corrupção e lavagem de dinheiro

Propina de R$ 900 mil foi paga para favorecer agentes políticos que autorizaram pagamento em favor de empresa privada, diz MPE

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O Ministério Público Estadual (MPE) denunciou, pelos crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e ocultação de bens os ex-secretários de Estado Pedro Nadaf e César Zílio, o ex-procurador do Estado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o “Chico Lima”, e os empresários Pedro Augusto Mura e Eder Augusto Pinheiro.

A denúncia assinada pelos promotores de Justiça Anderson Yoshinari Ferreira da Cruz e Januária Dorilêo foi oferecida ao Judiciário na terça-feira (19) e distribuída a 7ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá.

A juíza Ana Cristina Ferreira Mendes ainda não decidiu pelo recebimento ou rejeição.

O pedido de abertura de ação penal é desdobramento de um acordo de colaboração premiada feita pelo empresário Filinto Muller.

Em 31 de março de 2017, a Delegacia Fazendária instaurou inquérito a partir das declarações feitas na delação premiada e descobriu que no segundo semestre de 2013, Chico Lima, na condição de procurador do Estado, solicitou propina de R$ 900 mil ao empresário José Mura Júnior.

O dinheiro foi exigido para que fosse autorizado pelo governo de Mato Grosso a quantia de R$ 1,861 milhão a título de “restos de obras” em favor da empresa Geosolo Engenharia Planejamento e Consultoria. O pedido de propina foi devidamente aceito.

A partir daí, foi descoberto que houve uma estratégia para ocultar a origem do dinheiro. O empresário Filinto Muller revelou que foi procurado para que sua empresa SF Assessoria e Organização de Evento recebesse a quantia de R$ 900 mil.

Após receber o dinheiro, Filinto Muller repassou a quantia a Chico Lima por meio de cheques, pagamentos de títulos e transferências bancárias.

O Ministério Público sustenta que as declarações são acompanhadas de provas documentais, o que atesta o pagamento de propina a Chico Lima e o favorecimento dos demais acusados.

Dos R$ 900 mil recebidos a título de propina, Chico Lima repassou R$ 275 mil a Pedro Nadaf e 3% a Filinto Muller pelo serviço de “ponte” do dinheiro ilícito.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPF prende cacique que degolou servidor da Funai em MT
Próximo artigoÍndia libera exportação de vacina para o Brasil