MPE aciona Assembleia na Justiça por aumento de verba indenizatória

VI dos deputados aumentou de R$ 35 mil para R$ 65 mil e, na visão do promotor de Justiça, sem justificativa plausível

O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) acionou judicialmente a Assembleia Legislativa  (ALMT) e o Governo do Estado nesta quinta-feira (5). O órgão quer que a Justiça declare inconstitucional uma lei que aprovou aumento de R$ 30 mil na verba indenizatória de deputados estaduais e servidores comissionados.

A ação foi proposta pelo promotor de Justiça Célio Furio, que atua na defesa da Probidade Administrativa e Patrimônio Público. Ele já investigava o caso desde julho.

O promotor questiona artigos da Lei 10.296/15 que aumentaram o valor da verba indenizatória de R$ 35 mil para R$ 65 mil aos deputados estaduais. A mesma lei desobriga a prestação de contas desse montante.

Também estão sendo contestados artigos das normas que garantiram o pagamento de verba indenizatória a servidores comissionados do Poder Legislativo. Os servidores, conforme apurado pela Promotoria de Justiça, começaram recebendo R$ 6 mil. Depois o valor foi alterado para R$ 12 mil, por decisão interna.

Caso o Poder Judiciário não reconheça a inconstitucionalidade, o Ministério Público quer a nulidade dos atos administrativos que estenderam o pagamento da verba aos servidores.

No mérito, pediu que a Assembleia deixe de pagar o aumento concedido aos deputados. Ou seja, quer que a verba indenizatória volte a ser de R$ 35 mil.

O promotor destacou que o aumento concedido “superou, em muito, os índices inflacionários, praticamente dobrando-se o valor”. Disse ainda que o reajuste não teve uma justificativa plausível.

“Para ter direito a verba indenizatória é necessário que haja algo excepcional e extraordinário que deva ser indenizado. Penso ser indispensável ter conhecimento e controle do que está sendo indenizado e isso não pode ter conteúdo indeterminado ou ficar oculto”, argumentou o promotor de Justiça.

Polêmica

Documentos obtidos pelo LIVRE, no início do ano, apontaram que a ALMT teria feito um suposto pagamento ilegal de mais de R$ 2 milhões em auxílios para servidores de alto escalão, como secretários, chefes de gabinete, consultores, coordenadores de comissões e o procurador-geral.

A reportagem obteve acesso a uma planilha na qual constavam depósitos de R$ 12 mil como verba indenizatória, quando antes o valor estipulado era de R$ 6 mil mensais. O aumento no repasse foi identificado a partir de dezembro de 2018.

Segundo a ALMT respondeu à época, a decisão nº 001/2018 teria sido a responsável pelo aumento no valor da verba de servidores. A alegação era a de que o valor base estava inalterado há três anos.

Com assessoria

Leia também

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno de MT desmembra reforma e prioriza aumento na contribuição previdenciária
Próximo artigoFlamengo terá de pagar pensão a vítimas de incêndio e familiares