MP um superpoder? Ministro cita preocupação em julgamento que pode extinguir o Gaeco

Ricardo Lewandowski, até agora, foi o único a dar sinais de que pode concordar com ação movida pelo PSL

(Foto: Reprodução / MP-MT)

Um pedido de vista do ministro Ricardo Lewandowski, adiou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a constitucionalidade ou não da lei que criou o Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) em Mato Grosso.

Até então, cinco ministros já haviam se manifestado contra a ação movida pelo Partido Social Liberal (PSL), que aponta ilegalidades, por exemplo, no fato de policiais militares estarem – supostamente – subordinados a membros do Ministério Público Estadual (MP).

Lewandowski ainda não votou, mas manifestou preocupação com o que, em sua avaliação, pode transformar os Ministérios Públicos em “superpoderes”.

“Não podemos transformar o Ministério Público num superpoder que requisita serviços, servidores, apoio material, investiga… Entendo que temos que combater a criminalidade e a corrupção, mas a Constituição estabelece parâmetros”, criticou.

Ressaltando enxergar a importância do trabalho do Gaeco, o ministro também ponderou não concordar, muitas vezes, com os modelos das “forças-tarefas”. Sua avaliação é de que elas extrapolaram nos últimos anos o controle dos órgãos hierárquicos, ou seja, o próprio Ministério Público ou a polícia.

Ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (Foto: EBC)

Segundo ele, as operações estariam ocorrendo “sem qualquer tipo de limitação” e escapando das “competências constitucionais e legais”.

O relator diverge

Relator do processo, o ministro Alexandre de Moraes deu um voto bem diferente. Para ele, não há subordinação hierárquica entre servidores das polícias Civil ou Militar e membros do Ministério Público. Pelo contrário, haveria, em sua avaliação, uma cooperação entre as instituições.

Ele lembrou que o Gaeco existe nos 26 Estados e no Distrito Federal e que só os Grupos de Mato Grosso e do Tocantins foram questionados pelo partido.

E sobre o suposto duplo vínculo funcional de um policial que integre o Gaeco, ele disse não haver inconstitucionalidade. Ainda que as ações sejam coordenadas por um promotor de Justiça, este servidor público continua vinculado a seu órgão de origem.

Até o momento votaram o relator os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux.

(Com informações do ConJur e da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO que influencia a compra dos consumidores digitais?
Próximo artigoDeclínio da criminalidade em Cuiabá e audiências de custódia

O LIVRE ADS