Justiça condena menor que matou Isabele a 3 anos de internação

Adolescente foi entregue pelos pais à Justiça e já foi encaminhada para unidade sócio-educativa

(Foto: arquivo pessoal)

A juíza da 2ª Vara Especializada da Infância e Juventude, Cristiane Padim, condenou nesta terça-feira (19) a adolescente que atirou e matou a garota Isabele Ramos Guimarães em julho de 2020, a 3 anos de internação a serem cumpridos no Complexo Feminino Menina Moça, localizado ao lado do Complexo do Pomeri, em Cuiabá.

A pena será revisada a cada seis meses, de acordo com as regras contidas no Estatuto da Criança e Adolescência.

A magistrada determinou o imediato cumprimento da sentença diante da gravidade da infração e ressaltando o caráter pedagógico e responsabilizador da internação sócio-educativa. Ainda cabe recurso ao Tribunal de Justiça.

A reportagem do LIVRE tentou contato com a defesa da menor condenada, conduzida pelo advogado Arthur Barros de Freitas Osti, mas a ligação não foi atendida.

A condenação atendeu pedido do Ministério Público Estadual (MPE), que ofereceu ação contra a menor por infração análoga ao crime de homicídio doloso, ou seja, quando há  consciência e vontade de matar.

As ações envolvendo menores de idade tramitam em segredo de Justiça, mas a informação da sentença foi divulgada e confirmada pela TV Centro América (TVCA), afiliada da Rede Globo em Mato Grosso.

Após a confirmação da sentença, o delegado da Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica), Francisco Kunze, compareceu à casa da menor, no condomínio de luxo Alphaville I.

Em um primeiro momento, a informação era de que ela estava ausente, mas os pais se comprometeram a comparecer à delegacia para entregá-la, o que foi feito.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorÁguas Cuiabá inicia obras da ETE Ribeirão do Lipa em fevereiro
Próximo artigoFiocruz admite possível atraso na produção da vacina