Justiça condena fazenda a indenizar família de trabalhador vítima de leishmaniose

Homem trabalhava no desmate de florestas, em uma região endêmica para a doença

(Foto: Karolina Grabowska / Pexels)

Um grupo de fazendas instalado no interior de Mato Grosso terá que indenizar a família de um trabalhador (esposa e filho) em R$ 100 mil e pagar pensão até que a criança complete 25 anos de idade. A decisão da Justiça do Trabalho foi embasada no fato de o homem ter morrido após contrair leishmaniose.

O trabalhador era operador de máquinas agrícolas e atuava no desmate de florestas, em uma região endêmica para a doença.

À Justiça do Trabalho, o grupo de fazendas alegou que o diagnóstico definitivo do trabalhador ocorreu em janeiro de 2016 o que significaria que ele contraiu a doença em dezembro de 2015, quando seu contrato já estava encarrado.

Outro argumento apresentado pelos empregadores foi o de que, desde o primeiro afastamento previdenciário, em 2014, o funcionário não voltou a morar em área rural, portanto, seria impossível precisar o local em que se contaminou.

A médica perita que atuou no caso destacou, contudo, que embora o período médio de incubação da leishmaniose seja de um mês, ele pode se estender por até um ano.

Inúmeras internações

Relator do caso, o desembargador Paulo Barrionuevo destacou no processo que, apesar do diagnóstico definitivo ter saído somente em 2016, o trabalhador estava acometido da doença pelo menos desde 2007.

Documentos juntados ao processo detalham as várias internações em hospitais de Cuiabá, e até de Cascavel, interior do Paraná. Nesse período, foram realizados diversos procedimentos e exames médicos, todos inconclusivos.

Entretanto, anos antes da certeza médica, o tratamento já era baseado na provável existência de leishmaniose que, ao fim, mesmo com as intervenções, evoluiu para o óbito.

Doença ocupacional

A leishmaniose tegumentar é uma doença crônica que atinge pele e mucosas, sendo transmitida pela picada de mosquito do gênero Lutzomia.

O perfil ocupacional da doença é citado constantemente para o caso dos trabalhadores agrícolas ou florestais, especialmente quando atuam em desmatamento, “na medida em que o homem se insere em locais que até então possuíam vegetação nativa, passando a fazer parte do ciclo da doença (como hospedeiro)”, explicou o relator do caso.

Barrionuevo ressaltou ainda que a extração de madeira de floresta plantada (produção florestal) é o caso típico em que a chance de contato com o transmissor da leishmaniose é acima da média.

Justamente por isso, a extração de madeira é classificada como grau de risco 3 (em uma escala que vai até 4) pela Norma Regulamentadora 4 do extinto Ministério do Trabalho e Emprego (atual Secretaria Especial de Previdência e Trabalho).

E quanto à alegação da defesa de que a doença poderia ter sido contraída fora do ambiente de trabalho, o relator ponderou que o fato da família do empregado não ter se infectado leva a se presumir que o vetor não estava presente no ambiente doméstico.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“É uma figura que me causa pena”, diz Gilmar Mendes sobre Moro
Próximo artigoCuiabá ameaça fechar casas noturnas após primeira notificação