Governo vai à Bolívia em busca de gás natural para Mato Grosso

Presidente da Bolívia, Evo Morales, deve receber o governador Mauro Mendes para debater um contrato firme de gás. Estado ainda carece de um contrato firme de distribuição do produto e Petrobrás já teria dado aval para um acordo

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Para tentar solucionar um impasse com a distribuição de gás natural para Mato Grosso, o governador Mauro Mendes (DEM) e o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, vão à Bolívia nesta quinta-feira (30) para tratar de um novo contrato com o presidente do país vizinho, Evo Morales e com o ministro de hidrocarbonetos, Luis Alberto Sánchez. O governador já teria aval da Petrobrás para estabelecer um contrato firme para fornecimento de gás.

Conforme o secretário-chefe da Casa, a reunião desta quinta gera uma expectativa grande já que o Estado pode reestabelecer definitivamente o fornecimento de gás em Mato Grosso. “Vamos fazer diretamente um contrato entre Mato Grosso e a Bolívia”, disse Mauro Carvalho.

Esta será a primeira viagem internacional do governador Mauro Mendes. Nos últimos cinco anos Mato Grosso vem tentando fazer um contrato para o fornecimento de gás no estado. Mas, não consegue porque a prioridade do governo boliviano é de fornecer gás para a Petrobrás, já que o contrato firmado em 1996, prevê multa caso o volume distribuído seja menor que o contratado com a estatal boliviana YPFB, que fornece o gás.

No entanto, a Petrobrás deve rever sua política sobre o mercado de gás no Brasil. Pelos planos do Ministério da Economia, a empresa poderia vender toda a sua participação no mercado de gás no país, o que poderia facilitar a negociação de Mato Grosso com a Bolívia.

No passado, o governo até tentou firmar um acordo com o país vizinho, mas não conseguiu, além de comprar o gás, Mato Grosso ofereceu parte da empresa MT Gás e ainda a compra de parte da uréia produzida no país. A negociação teve a participação do presidente Evo, mas não avançou. Agora, Mato Grosso segue novamente em busca de um contrato firme com o país vizinho.

Um ramal do gasoduto trás o produto para Cuiabá começa no gasoduto Brasil-Bolívia em San Jose dos Chiquitos, passa por San Matias, até adentrar o território brasileiro por Cáceres, passa por Poconé, Nossa Senhora do Livramento, Várzea Grande e Cuiabá. São 645 km de extensão até Cuiabá.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro no Araguaia
Próximo artigoKit Harington, o Jon Snow de GoT, é internado em clínica de reabilitação

O LIVRE ADS