Governo de MT vai retomar cirurgias eletivas, afirma secretário

Procedimentos foram suspensos por conta da pandemia e, agora, casos que não eram graves estão se tornando urgentes

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo afirmou que o governo de Mato Grosso está elaborando uma estratégia para retomada das cirurgias eletivas. Segundo ele, haverá uma reunião técnica para reorganizar a rede, deixando hospitais exclusivos para atender pacientes com a covid-19 e outros para as demais especialidades médicas.

Durante uma live promovida pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), nesta quinta-feira (21), Figueiredo explicou que os procedimentos foram suspensos para atender uma recomendação do Ministério da Saúde, no início da epidemia.

Naquele momento, foram solicitadas as reservas de todos os leitos de hospitais possíveis, tanto em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) como em enfermarias. Por se tratar de uma doença altamente contagiosa, considerava-se o risco de contaminação.

No entanto, cirurgias que eram eletivas – ou seja, que “podiam esperar” momento oportuno -, agora, estão se tornando de urgência e emergência, o que gerar um efeito colateral que afetará toda a rede de saúde pública.

“Os procedimentos pararam na rede pública e alguns hospitais contratualizados aproveitaram-se da situação para negar o atendimento, baseando-se na mesma recomendação”, disse o secretário.

Segundo Figueiredo, a ideia inicial é concentrar todos os atendimentos de covid-19 apenas no Hospital Metropolitano, em Várzea Grande, que tem uma ala recém-inaugurada, justamente, para essa finalidade. Dessa forma, seriam liberados os leitos nos outros hospitais.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCaminhoneiro diagnosticado com covid-19 foge de hospital e PM é acionada
Próximo artigoR$ 22 por habitante: MT é o penúltimo Estado no rateio de recursos federais

O LIVRE ADS