Fechamento de núcleos da Defensoria resultou em gasto de R$ 40 milhões com advogados dativos

Presidente da associação dos Defensores Público diz que metade desse valor resolveria problema, se investido na instituição

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Enquanto a Defensoria Pública de Mato Grosso fechou 15 núcleos por falta de dinheiro, em 2017 – o orçamento da instituição está “congelado” há três anos – o governo do Estado gastou, só no ano passado, cerca de R$ 40 milhões com advogados dativos.

Faltam defensores públicos em quase 50% dos municípios mato-grossenses. Os advogados dativos são profissionais nomeados por um juiz quando um cidadão desses locais precisa de defesa.

Presidente da Associação Mato-grossense dos Defensores Públicos de Mato Grosso (Amdep), João Paulo de Carvalho Dias afirma que hoje só 44 dos 141 municípios do Estado têm comarcas da Defensoria. Para ele, a necessidade de contratação de advogados dativos representa uma falta de planejamento por parte do governo.

“Metade do valor que o Estado paga aos advogados dativos, ou seja, R$ 20 milhões, seria o suficiente para suprir a demanda da Defensoria, alcançando todas as comarcas. Além de conseguir quitar os duodécimos em atraso”, sustenta.

Ainda de acordo com a Amdep, um núcleo da Defensoria custa, por ano, aos cofres públicos cerca de R$ 300 mil. Enquanto isso, ao longo de 2016, o governo do Estado gastou R$ 3 milhões com advogados dativos só em Guarantã do Norte.

Sobre a situação, a Associação destaca ainda que os dativos atuam em casos específicos, quando nomeados pelo juiz. Já um núcleo da Defensoria poderia fazer um trabalho mais amplo.

Previsão legal

A Amdep também afirma que Mato Grosso tem andado na contramão do que determina a Constituição. É que uma emenda aprovada em 2014 estabeleceu que, até 2022, todas as comarcas judiciais do país precisam ter defensores públicos. No Estado, no entanto, o número tem diminuído ao invés de aumentar. O déficit atual é de 65 defensores.

Os quase 41 mil habitantes de Juína, por exemplo, precisam viajar mais de 195 quilômetros, até Juara, para encontrar um núcleo da Defensoria.

Nas cidades mais distantes da Capital, o principal problema enfrentado é em relação a demandas do setor da saúde. A Amdep afirma ser cada vez maior o número de pessoas que recorrem à Justiça para conseguir uma vaga em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), por exemplo.

E o presidente da Amdep sustenta que todas essas informações são do próprio governo do Estado, que estariam em busca de medidas para fortalecer a atuação da Defensoria em Mato Grosso.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDave Bautista, de Guardiões da Galáxia, odeia ser comparado a Dwayne Johnson e John Cena
Próximo artigoAdolescente é agredida por recusar sexo com namorado e amigo juntos