|Quinta-feira, 24 maio 2018
Trinta refugiados da Venezuela chegaram a Cuiabá (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Explorados, famintos e perseguidos, mais 30 venezuelanos chegam a Cuiabá

“Fugimos porque na Venezuela não há dinheiro, não há comida e não há como viver”

COMPARTILHECOMPARTILHE

O corpo esguio e alto de José Rafael Lista não esconde as marcas do país de onde veio: a fome e a miséria deixaram rastros indeléveis na pele deste venezuelano de 49 anos. José Romano, de 42 anos, também não é o mesmo de antes. Desde que eclodiu a crise econômica e política no país, há cerca de um ano, Lista perdeu 38 quilos e Romano perdeu 40.

Os dois compõem o grupo de trinta imigrantes que chegaram a Cuiabá nesta terça-feira (12), vindos de Boa Vista, em Roraima, principal porta de entrada dos refugiados. Residentes na cidade de El Tigre, no estado de Anzoátegui, José Rafael e Jaime viveram a miséria e a perseguição na Venezuela e a exploração no Brasil.

Romano e Lista: histórias que se cruzam na luta contra a fome e a exploração (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Lista foi demitido da companhia de gás em que trabalhava, passou fome e foi obrigado a fugir para o Brasil com a esposa e os dois filhos de 12 e 14 anos. “Fugimos porque na Venezuela não há dinheiro, não há comida e não há como viver”, lamenta.

Romano viveu uma história ainda pior: foi demitido da estatal petrolífera onde trabalhava, a PDVSA, e perseguido pela polícia, que invadiu e saqueou sua casa durante a noite.  “Este mês dizem que haverá eleições, mas nós sabemos qual vai ser o resultado”, ironiza ele.

Furioso com o descontrole da crise, Romano faz parte de um grupo de descontentes que se negaram a sacar o chamado “carnet de la pátria”, lançado em 2017. O cartão, que contém tecnologia QR Code, é uma espécie de CadÚnico venezuelano que garante o acesso a saúde, transporte e outros serviços custodiados. O grupo, assim como parte da oposição ao presidente Nicolás Maduro, acredita que o cartão seja uma forma de controle social e de compra de votos.

“Eu e mais sete colegas, que trabalhavam comigo no poço de perfuração, nos recusamos a sacar o cartão, todos nós fomos perseguidos. Fui demitido, a polícia entrou na minha casa, levou televisão, móveis e me proibiram de conseguir outro emprego. O governo não aceitou que outras petroleiras estrangerias nos contratassem”, relata.

Exploração em Boa Vista

Romano chegou primeiro ao Brasil, em janeiro deste ano. A ironia do destino fez com que ele e outros compatriotas se estabelecessem na Praça Símon Bolívar, uma das maiores de Boa Vista e que remete justamente à figura histórica que dá nome à moeda venezuelana, completamente desvalorizada.

Carnet de la pátria, documento que garante acesso a serviços públicos para venezuelanos (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

“O número de gente triplicou em poucos meses”, conta. Lista chegou logo em seguida. Os dois companheiros, antes vizinhos em El Tigre, mantiveram-se próximos na praça superlotada. A dupla sofreou também com a exploração. Com a chegada de mais gente, a demanda de mão de obra na cidade rebaixou o salário a níveis indecentes.

“Trabalhei em uma fazenda por 15 dias e o proprietário se recusava a me pagar. Quando ele foi quitar o que devia, me deu R$ 250; eu perguntei por que o valor era tão baixo, ele me disse que era a ‘lei’”, conta Lista. “Mandei R$ 100 para parte da minha família que ainda está na Venezuela e o restante comprei comida para os meninos”, relembra.

“Uma diária em Boa Vista não é mais do que R$ 30, com sorte se consegue ganhar R$ 30, muito raramente. Há muita gente para trabalhar, você chega e oferece um trabalho, outro chega e oferece mais barato e os empresários se aproveitam”, diz Romano.

Emprego em Cuiabá

A capital mato-grossense entrou definitivamente na rota da imigração para os Venezuelanos este ano. Os haitianos, antes maioria na Casa do Migrante – entidade mantida principalmente pela Igreja Católica – deixaram de ser maioria. O primeiro grupo de venezuelanos, com 66 pessoas, chegou em abril. Destes, 30 adultos já conseguiram se empregar, 10 ainda aguardam uma vaga e o restante são crianças e adolescentes.

“Nós podemos dizer que o resultado tem sido positivo até aqui; a maioria deles conseguiu trabalho, alguns em fazendas e sítios e outros na indústria, no comércio e até em escolas”, comemora Marilete Girardi, que trabalha na Pastoral do Migrante. Com a chegada de mais gente, são exatos 96 imigrantes da Venezuela hoje em Cuiabá.

Mas mesmo antes de vir a Mato Grosso, os refugiados sentiram o corpo reagir as novas condições. A exploração em Boa Vista não foi suficiente para impedir o recomeço para muitos deles. “Desde que vim ao Brasil eu ganhei 13 quilos”, diz Lista, agora sorridente. Pergunto a Romano se ele também voltou a comer regularmente. “Pesava pouco mais de 50 quilos quando cheguei, hoje peso quase 70”, responde.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

DESTAQUES

Profissionais do sexo denunciam comerciante que as chamou de “putas”

Cinco pessoas morrem e 10 ficam feridas em acidente envolvendo dois carros em MT

Em protesto, Chopp será vendido pela metade do preço em Cuiabá

Desembargador diz não ver crime de estupro por vítima estar bêbada e ter tido...

Caldo, cuiabania e cerveja gelada: conheça 5 botecos de raiz na capital

X